PUBLICIDADE

Gol pode enterrar restos do Boeing acidentado na floresta

Aérea não cede à pressão dos parentes e diz que, por causa do pouco uso, não vai prorrogar convênio médico

PUBLICIDADE

Por Camilla Rigi
Atualização:

Na véspera de completar um ano do segundo maior acidente aéreo da história do País, a companhia aérea Gol anunciou, nesta sexta-feira, 28, que avalia a viabilidade de enterrar parte dos destroços espalhados na Floresta Amazônica do Boeing 737-300. O avião se chocou no ar contra um jato Legacy, em 29 de setembro de 2006, matando 154 pessoas. Além disso, a empresa afirmou que não vai prorrogar o plano de saúde dos familiares das vítimas. Vai postergar apenas a assistência psicológica a eles, por mais 12 meses.  Pelo menos 100 famílias ainda aguardam indenização da Gol Missa em fazenda vai homenagear vítimas do acidente da Gol Especial sobre a crise aérea Segundo a empresa, em um ano apenas 10% dos serviços de exames e consultas disponibilizados foram efetivamente utilizados pelas famílias, apesar de 210 pessoas terem aceitado o benefício. Os dados foram utilizados como base para a companhia não prorrogar o plano de saúde. A decisão foi tomada depois de muita pressão dos parentes para renovação do plano de saúde. A Gol não cedeu. No balanço de um ano da tragédia, a Gol também contabilizou 32 acordos firmados, que beneficiaram 82 pessoas. Os valores pagos pelas indenizações não foram divulgados. Ao contrário do que fez a empresa aérea TAM, ao completar dois meses do acidente com um de seus Airbus, que divulgou todos os custos da assistência às vítimas, a Gol não informou quanto gastou com as famílias. Contudo, em uma nota enviada ao estadao.com.br, a companhia ressalta que "assumiu a organização dos funerais e pagou passagens para identificação dos corpos e pertences dos passageiros." Além disso, a Gol afirma ter encomendado uma perícia nos destroços do avião para avaliar se havia possibilidade contaminação do solo e do ar pelo combustível. Segundo dados do laudo preliminar, não houve sinais de contaminação. Leia mais informações na edição impressa do Estadão, neste sábado

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.