Papa lamenta as 'muitas vítimas' do coronavírus na América Latina

Pontífice prestou solidariedade às famílias e aos profissionais de saúde; ele celebrou desaceleração da doença na Itália mas pediu cautela e não cantou 'vitória antes do tempo'

PUBLICIDADE

Por Redação
Atualização:
2 min de leitura

O papa Francisco lamentou neste domingo, 7, que a epidemia de coronavírus continue a causar "muitas vítimas" na América Latina e expressou sua proximidade aos povos da região, durante a tradicional oração do Angelus no Vaticano.

Papa Francisco durante a tradicional oração do Angelus no Vaticano Foto: EFE/EPA/GIUSEPPE LAMI

Depois de agradecer ao fato de que a epidemia parece ter sido superada na Itália, o pontífice acrescentou que "infelizmente, em outros países, especialmente na América Latina, o vírus continua fazendo muitas vítimas".

"Sexta-feira passada, num país, morreu um por minuto, terrível!"

Continua após a publicidade

Sem citar o nome do Brasil, o papa destacou a gravidade da situação sanitária no País em referência à marca de 1.473 mortes em um período de 24 horas, alcançada pelo País na última quinta-feira, 4.

Francisco expressou sua "proximidade a essas populações, os doentes e suas famílias e todos os que cuidam deles".

O balanço da pandemia é de cerca de 400 mil mortos em todo o mundo, e nas últimas semanas se acelerou na América Latina, especialmente no Brasil, o terceiro país com o maior número de mortes no planeta (35.930 mortes), atrás dos Estados Unidos (109.791 mortes) e do Reino Unido (40.465 mortes).

Na Itália, a covid-19 fez 33.846 mortes em quatro meses, mas a epidemia parece contida na península, que anunciou 72 mortes e 270 infecções nas últimas 24 horas.

A presença neste domingo de centenas de fiéis na Praça de São Pedro para o Angelus "é um sinal de que a fase aguda da epidemia passou na Itália", disse o papa, que, no entanto, pediu cautela e não cantou "vitória antes do tempo".

A Santa Sé anunciou neste domingo que não havia mais casos de coronavírus no Vaticano, onde 12 pessoas foram infectadas e isoladas./ COM AFP/VATICAN/ANSA