PUBLICIDADE

Quem é essa mulher? Filme revela a história da 1ª médica negra do Brasil

Documentário estreia neste sábado no Festival Internacional de Curitiba e conta a vida de Maria Odília Teixeira Lavigne

PUBLICIDADE

Foto do author Adriana Victorino
Atualização:

Maria Odília Teixeira Lavigne, a primeira médica negra do Brasil. Essa é a personagem do filme Quem é essa mulher?, que será exibido no Festival Internacional de Curitiba, com estreia neste sábado, 15. O documentário narra as histórias de Maria Odília e de Mayara Santos, historiadora negra, soteropolitana, que se dedica a contar a vida de uma pioneira nascida em São Félix, no Recôncavo Baiano, em 1884.

O filme é fruto de um encontro de duas mulheres negras separadas por um século. Mayara, na época estudante de História na Universidade Federal da Bahia, trabalhava com restauro no laboratório da Bibliotheca Gonçalo Moniz, hoje um complexo localizado no Pelourinho, em Salvador, quando foi convidada a aprender mais sobre a histórica da Faculdade de Medicina da Bahia para apresentá-la para possíveis turistas.

Mayara Santos conta no documentário a história de Maria Odília Teixeira, primeira médica negra Foto: Caio Lírio

PUBLICIDADE

“Era um trabalho técnico, ficava em uma sala no subsolo, sozinha. Quando minha chefe me convidou para aprender mais sobre a faculdade, aceitei na mesma hora e subimos”, conta Mayara.

No térreo havia uma exposição das primeiras médicas formadas na faculdade “Tinha Rita Lobato, primeira médica do Brasil, e no meio dessas tinha a foto de Odília”. Como historiadora, Mayara sabia que na época, 1909, havia um contexto desfavorável para aquele fato. “Fui perguntar à professora: ‘é uma mulher negra mesmo? Ou é a foto que está antiga, desgastada?’ Realmente eu não acreditei. E ela falou: ‘é negra sim, Maria Odília’”.

Mayara descobriu que pouco se sabia sobre a história da primeira médica negra do Brasil. “E aí foi meu segundo choque. Como assim? Como não existe um trabalho vasto sobre essa mulher?”

Maria Odília é a terceira mulher da direita para a esquerda. Foto: Arquivo Pessoal

Foi a sensibilidade da roteirista Mariana Jaspe que identificou o coração da produção neste encontro. “Quando conversei com Mayara e li a monografia dela sobre a vida de Odília, fui encontrando uma série de pontos que vão se cruzando na história das duas e a gente vai conectando passado e presente. Mayara traz essa coisa contemporânea da mulher do hoje e a gente vai entendendo essa Odília lá do passado”, contou Mariana.

Uma história de amor, coragem e capacidade de sonhar

Para a roteirista, embora esta seja essencialmente a trajetória de uma mulher pioneira, é também uma história de amor e uma reconstrução do imaginário da sociedade sobre a mulher negra. Quem é essa mulher? é uma história de força, de revolução e de amor em suas mais variadas faces.

Publicidade

É um filme sobre uma mulher negra que foi amada, que teve uma família, que era rica. Quando a gente pensa em 1884, que foi o ano que Odília nasceu, logo se pensa em mulheres escravizadas, e elas existiam também. Mas, Odília é outra chave e acho importante a gente mostrar que existe esse outro lugar”.

Mariana Jaspe, roteirista

Para Mayara, a história de Odília também impressiona por outros aspectos. “Depois de dez anos de pesquisa, eu fico impressionada com a capacidade dela de sonhar”, conta a historiadora.

Pesquisar a vida de alguém que nasceu no século 19 foi um processo longo e pouco simples. Por isso, Mayara entende que seu trabalho é incompleto e espera que mais pesquisadores avancem com o tema. “Eu queria que todo brasileiro pudesse conhecer a Maria Odília.”

Mariana Jaspe deseja que Quem é essa mulher? circule, vá para salas de cinema, mas que também chegue às escolas, para que jovens assistam e se inspirem. “Que a gente descubra cada vez mais a Odília, e que a gente desenvolva mais Odílias.”

Serviço

Quem é essa mulher?

PUBLICIDADE

Sobre o Festival Internacional de Curitiba

A 13.ª edição do Festival Internacional de Curitiba acontece até o dia 20 de junho e apresenta longas e curtas-metragens independentes de todo o mundo. Os filmes ocupam as salas do Cine Passeio, do Cinemark Mueller, do Teatro da Vila e da Ópera de Arame, em Curitiba, no Paraná.

Este conteúdo foi produzido em parceria com Associação dos Pesquisadores Negros

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.