PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Diversidade e Inclusão

Caro Lula, a acessibilidade é linda

PUBLICIDADE

Foto do author Luiz Alexandre Souza Ventura
Minha bengala é linda, me ajuda a ter equilíbrio e não cair na rua, permite minha autonomia, é o suporte da minha independência.  


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a manifestar sua percepção atrasada a respeito das deficiências e dos recursos de acessibilidade.

PUBLICIDADE

"Vocês não vão me ver de andador, muleta, vocês vão me ver sempre bonito", disse Lula nesta terça-feira, 26, sobre trabalhar no Palácio do Alvorada durante o período de recuperação após uma cirurgia no quadril.

Qual é a relação da beleza com a deficiência? Por quais motivos o indivíduo que usa andador ou muleta é o contrário do bonito?

Nessa tolerância sem fim ao preconceito contra a pessoa com deficiência e seu cotidiano, um comentário desse porte, dito pelo líder do País, é encarado apenas como um comentário porque ninguém quer ser pessoa com deficiência, certo?

Então, transporte o adjetivo - sempre o adjetivo, a qualidade, elogio ou xingamento - para outras realidades da diversidade.

Publicidade

"Vocês não vão me ver nordestino, vocês vão me ver sempre bonito".

"Vocês não vão me ver preto, vocês vão me ver sempre bonito".

"Vocês não vão me ver homossexual, vocês vão me ver sempre bonito".

"Vocês não vão me ver indígena, vocês vão me ver sempre bonito".

"Vocês não vão me ver trans, vocês vão me ver sempre bonito".

Publicidade

Adapte como quiser.

Prezado presidente Lula, a acessibilidade é linda porque sem esse recurso a inclusão é impossível. Minha bengala é linda, me ajuda a ter equilíbrio e não cair na rua, permite minha autonomia, é o suporte da minha independência.

Meu caro Lula, é o exato contrário. Será bonito ver seu andador, sua muleta, sua (se for usar) bengala. Mostre. Sorria. Acene com a mão que tem quatro dedos.

E peça desculpas por mais uma fala capacitista.


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.