PUBLICIDADE

Ariane 6: lançamento de foguete faz Europa voltar à corrida espacial; assista como foi

Desde o último voo do Ariane 5 há um ano, os europeus não haviam conseguido mais colocar satélites em órbita por seus próprios meios

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Com quatro anos de atraso, o foguete Ariane 6 decolou nesta terça-feira, 9, da Guiana Francesa, fazendo os países europeus recuperarem o acesso autônomo ao espaço. A decolagem do foguete de 56 metros ocorreu por volta das 16 horas (horário de Brasília), do Centro Espacial da Guiana (CSG), em Kourou.

Em seu primeiro voo, o Ariane 6 transporta 11 microsatélites de universidades, material para realizar experimentos, bem como duas cápsulas de reentrada atmosférica que servirão, no futuro, para levar carga espacial para abastecer as estações espaciais.

O foguete Ariane 6 da Agência Espacial Europeia visto antes do lançamento Foto: Jody Amiet/AFP

De um bunker no centro de lançamento, mais de 200 especialistas monitoraram o foguete até que ele deixasse o solo.

Veja o lançamento

PUBLICIDADE

O Ariane 6, que começou a ser desenvolvido em 2014, tem capacidade para colocar satélites geoestacionários em órbita a 36 mil quilômetros de altitude e também constelações de satélites a centenas de quilômetros da Terra.

O foguete passou por vários testes em Terra. “Fizemos tantas linhas do tempo (de lançamento) que parece rotina, exceto que desta vez é de verdade, vai decolar”, disse entusiasmado Franck Saingou, vice-diretor do voo inaugural, antes da decolagem.

Historicamente, quase metade dos primeiros lançamentos de foguetes falharam Foto: Jody Amiet/AFP

Historicamente, quase metade dos primeiros lançamentos de foguetes falharam, como em 1996 com o primeiro Ariane 5, que, no entanto, de um total de 117 lançamentos, falhou apenas duas vezes.

“É um primeiro voo, há uma parte de risco, tentamos minimizá-lo ao máximo, temos confiança”, diz Philippe Baptiste, diretor executivo do Cnes, a agência espacial francesa.

Publicidade

O sucesso do voo marca o retorno da Europa à corrida espacial internacional, segundo o chefe de transporte espacial da ESA, Toni Tolker-Nielsen.

Desde o último voo do Ariane 5 há um ano, os europeus não haviam conseguido colocar satélites em órbita por seus próprios meios. E desde a invasão da Ucrânia, não têm mais acesso ao veículo de lançamento médio russo Soyuz. Além disso, o foguete Vega-C está em solo desde o final de 2022, após um acidente. /AFP

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.