Um Livro Por Semana #30: O que importa ('Eufrates', de André de Leones)

'Eufrates', de André de Leones, foi publicado pela José Olympio; e mais na Babel: Hedra troca a Vila Madalena pela Barra Funda

Blog

image

Blog

BabelLiteratura e mercado editorial

PUBLICIDADE

É lidando com coisas aparentemente corriqueiras que vamos nos definindo e percebendo o que realmente importa na vida. Eufrates, livro de André de Leones finalista dos principais prêmios literários do ano passado, parte desta ideia e nos apresenta os amigos Moshe e Jonas, Miguel, pai de Moshe, e mais outros quase 20 personagens que se movimentam por cidades como São Paulo, Buenos Aires e Jerusalém num período que vai do final dos anos 1990 a 2013 - há um breve itinerário no início para ajudar o leitor a seguir seus passos.

Parte da história se passa em Israel (Amir Cohen/Reuters) Foto: Estadão

A história dos dois amigos é contada em paralelo enquanto o autor vai criando uma teia de relações familiares e afetivas. Há momentos extraordinários, e trágicos, mas os personagens estão, na maior parte do tempo, lidando com questões como rompimento, mágoa e perdão - e tentando entender até onde é possível continuar convivendo com outro. O autor sugere, aqui, que se cuidarmos de nós mesmos e do outro ainda é possível ter uma convivência minimamente saudável, independentemente da turbulência que nos cerca e das nossas diferenças. Que apesar do desespero e do desânimo, pode existir apoio. Um livro, portanto, sobre amizade e família e sobre estar bem.

Já caminhando para o fim, num diálogo entre pai e filho, Moshe evoca Platão e relembra que a polis é a soma dos habitantes e que se cada pessoa não está saudável, não leva uma vida minimamente justa consigo mesmo e com o outro, ela não pode pretender que esse lugar, esse país, tenha saúde. Se cada indivíduo é doente, como a soma dos indivíduos vai ser saudável?

 

 Foto: Estadão

Continua após a publicidade

EUFRATES

Autor: André de Leones Editora: José Olympio (392 págs.; R$ 64,90; 49,90 o e-book)

 

+ BABEL

Novo endereço

A Hedra fechou as portas da casa que ocupava na Fradique Coutinho, onde também funcionava a Casa Plana, no começo da pandemia, achando que voltaria em duas semanas, mas não reabriu - nem em março, nem agora. Mas há novidades. Nesse meio tempo, Jorge Sallum decidiu trocar a Vila Madalena pela Barra Funda e agora finaliza as obras para instalar sua livraria no Por Um Punhado de Dólares, café localizado na Rua dos Pirineus. Ela terá 170 m² e vai abrigar os livros das editoras do grupo. A editora passa a funcionar numa sala ali perto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Notícias em alta | Cultura






Veja mais em cultura