PUBLICIDADE

Cia. Paula Castro apresenta o ‘Lago dos Cisnes’ com estilo cubano

Escola, representante exclusiva do Balé de Cuba, escolhe repertório para reativar sua companhia

PUBLICIDADE

Foto do author Fernanda Simas

Considerado um dos mais clássicos balés de repertório mundial, o Lago dos Cisnes foi escolhido pela Escola de Ballet Paula Castro – representante exclusiva da Escola Nacional de Balé de Cuba no Brasil – para o retorno de sua companhia de dança, criada em 1984. O espetáculo será apresentado no Teatro Sérgio Cardoso.

“Nosso sonho é abrigar os talentos da escola em uma companhia de dança. Faz parte do nosso ideal valorizar o balé clássico”, comemora a bailarina e criadora da escola, Paula Castro. Ela explica que ainda não tinha apresentado tal repertório, “o mais complexo dos balés, e com a música mais bonita de Tchaikovski”.

Cia. Paula Castro apresenta 'Lago dos Cisnes' Foto: Nanah Dluize

PUBLICIDADE

O espetáculo, que será apresentado pelos 30 bailarinos da cia., tem base na proposta original da obra de 1877, com quatro atos contando a história do príncipe que precisa escolher sua mulher durante um baile e descobre que os cisnes que estão em um grande lago são princesas enfeitiçadas. A montagem tem a visão do balé cubano. 

“Já que nós representamos a escola (Nacional de Cuba) fizemos a coreografia com base no estilo cubano”, explica Paula. Segundo ela, a diretora da escola cubana, Ramona de Sá, vem ao Brasil todo ano para acompanhar o trabalho e faz treinamento dos professores sobre a metodologia que é aplicada no Brasil. 

Paula escolheu a metodologia cubana a partir da tese que fez na pós-graduação na USP e afirma que a motivação foi a proximidade com o povo brasileiro. “A semelhança está em sermos latinos, a escola cubana é virtuosa, forte, representa mais nosso biotipo, nossa personalidade cultural.”

“O balé clássico tem uma linguagem tão bem codificada que é igual em todos os lugares – ninguém está criando o balé, mas dando sua característica de povo, físico, para se adaptar ao que já existe”, afirma a bailarina, que vai a Cuba com frequência. Paula reconhece que o momento é difícil para manter o funcionamento de uma companhia de dança, mas acredita que vale “fazer o trabalho com amor”. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.