PUBLICIDADE

Publicidade

Brasil pode ir à OMC contra embargo à carne suína

Por AE

Os produtores de carne suína querem ir à Organização Mundial do Comércio (OMC) para pôr fim ao embargo ao produto brasileiro. A Abipecs, entidade que representa o setor, pediu ao Itamaraty que questionasse a Coréia do Sul e o México, dentro do sistema de solução de contenciosos da OMC. Esses países não reconheceram ainda o Estado de Santa Catarina, maior produtor nacional de carne de porco, como área livre de febre aftosa sem vacinação, o que está impedindo o País de ganhar novos mercados. Em maio de 2007, Santa Catarina foi considerada área livre de febre aftosa sem vacinação pelo Comitê Internacional da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Esse status permitiria a recuperação de mercados afetados pelo embargo de 2005, quando ocorreu um surto de febre aftosa em Estados vizinhos a Santa Catarina. "Já se passou quase um ano após o relatório da OIE e nada aconteceu, não conquistamos nenhum mercado novo?, diz Pedro de Camargo Neto, presidente da Abipecs. Segundo ele, as negociações avançaram lentamente com o Japão, que em dezembro do ano passado enviou veterinários para averiguar as condições sanitárias de fazendas em Santa Catarina. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.