PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Análise de estudo adiou audiência sobre os Batista

Um pedido de prazo feito pelo Ministério Público (MP) para analisar um estudo produzido por especialista sobre a acusação de insider trading envolvendo os irmãos Batista, da JBS, foi a razão para o adiamento da audiência na Justiça Federal em São Paulo, que estava marcada para anteontem. Na ocasião, um dos responsáveis pelo estudo seria ouvido. Mas o MP solicitou mais prazo para entender o documento, antes da oitiva do especialista. O estudo, elaborado pelos professores da FGV Euchério Rodrigues Lerner, que foi superintendente de derivativos da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), e Paulo Renato Soares Terra, analisou 700 eventos políticos ao longo de 10 anos e demonstrou que a taxa de câmbio reage a eles de forma imprevisível. Assim, a conclusão é de que mesmo se os executivos da JBS tivessem informação privilegiada, eles não poderiam prever que o vazamento faria o real perder ou ganhar valor em relação ao dólar. Joesley e Wesley Batista, sócios da JBS, são acusados de terem comprado dólares para lucrar com o estresse provocado no mercado pelas acusações contra o presidente Michel Temer, vazadas na imprensa, em maio do ano passado. Procuradas, JBS e J & F não comentaram.

PUBLICIDADE

Por Economia & Negócios
Atualização:

Siga a @colunadobroad no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.