PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Após esperar 20 anos pela Garoto, Nestlé estima mais rapidez com Kopenhagen

Gigante suíça acertou compra da fabricante brasileira em negócio de R$ 4,5 bilhões

PUBLICIDADE

Foto do author Karla Spotorno
Grupo CRM, dono da Kopenhagen, tem mais de 1.000 lojas e é um dos maiores franqueadores do Brasil Foto: Divulgação/Kopenhagen

A Nestlé está otimista com o andamento do processo de avaliação da compra do Grupo CRM, dono das marcas Kopenhagen e Brasil Cacau, no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). A multinacional, que viu a compra da Garoto demorar 20 anos para ser aprovada, espera uma decisão para os primeiros meses do ano que vem. “Nossa expectativa é ter uma visibilidade [da decisão] no início do ano”, afirmou o presidente executivo da Nestlé para América Latina, Laurent Freixe, à Coluna em Dubai, onde participa de eventos ligados à 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28). A gigante suíça fechou a compra da fabricante brasileira em setembro, num negócio estimado pelo mercado em R$ 4,5 bilhões.

PUBLICIDADE

Um dos motivos para uma eventual maior celeridade é o fato de a nova operação levar em consideração uma série de condições presentes no acordo com a Garoto, segundo o executivo da Nestlé. Ele afirmou que a compra da CRM é compatível com os compromissos assumidos no caso anterior.

Segundo Freixe, a CRM tem negócios diferentes aos do grupo Nestlé na área de chocolates e doces. O grupo produz, essencialmente, produtos premium e tem forte atuação no varejo. “E os volumes são menores [que os da Garoto e das marcas da Nestlé]”, afirmou ele. Atualmente, o Grupo CRM tem mais de 1.000 lojas e é um dos maiores franqueadores do Brasil.

A Nestlé comprou a Garoto no início de 2002. O processo se tornou um dos mais longos do Cade e só chegou ao fim no meio deste ano. O caso foi marcado por reviravoltas e uma batalha judicial que impôs a reanálise pelo conselho.

A operação foi inicialmente vetada pelo Cade dois anos após o anúncio da compra. Na época, os julgamentos eram feitos após o negócio ter sido concretizado. Na decisão que selou o fim do processo, em junho, todos os conselheiros do Cade decidiram pela reapreciação do ato de concentração, aprovando a operação, desde que a Nestlé cumpra um acordo negociado junto à autarquia.

Publicidade

Uma das cláusulas estabelece a não aquisição de ativos de terceiros (como marcas, conjunto de marcas ou empresas) que representem conjuntamente participação de mercado, medida pelo faturamento no ano anterior a cada operação, igual ou superior a 5% do mercado relevante nacional de chocolates sob todas as formas, por cinco anos.

O Brasil é o terceiro maior mercado para a Nestlé, atrás de EUA e China. Somente em chocolates, o País é o primeiro. Na última semana, a empresa anunciou que pretende investir R$ 6 bilhões no Brasil até o final de 2025.


Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 05/12/2023 às 17h41

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse

Publicidade

http://www.broadcast.com.br/produtos/broadcastplus/

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.