PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Com peso da crise, fundos imobiliários terão menos emissões em 2022

PUBLICIDADE

Foto do author Circe Bonatelli
Foco são empresas inovadoras que tenham ligação com a atividade de incorporação  Foto Werther Santana /Estadão Foto: Estadão

Diante da deterioração da economia brasileira, o mercado de fundos de investimentos imobiliários (FIIs) tende a ser mais fraco em termos de captação de recursos em 2022. Neste momento, existem apenas três ofertas de emissões de cotas na fila e outras quatro que foram iniciadas no último mês, totalizando R$ 1,5 bilhão, conforme levantamento realizado pela Suno para a Coluna.

PUBLICIDADE

Por enquanto, o número ainda é discreto e aponta para um desaquecimento. No ano passado, foram concretizadas mais de 70 ofertas, com captação em torno de R$ 22 bilhões, de acordo com boletim da B3 - que considera apenas as ofertas destinadas ao público em geral. Se forem incluídas na conta as ofertas exclusivas a investidores profissionais, o montante é ainda maior.

Entre as poucas operações no radar este ano, o destaque está nos fundos de papel, com três das ofertas e um terço do total de captações previstas. A maior delas é do fundo RBR Premium Recebíveis Imobiliários, com R$ 304 milhões. Os fundos de papel aplicam os recursos em ativos como recebíveis e letras de crédito, que geralmente são corrigidos pela inflação ou CDI. Por isso, funcionam como investimentos defensivos em períodos de crise econômica, como a vivida hoje. Daí sua atratividade.

Por sua vez, os fundos de tijolos, que aplicam seus recursos na compra de prédios corporativos, shopping centers e hotéis, entre outros, devem ter ofertas bem mais seletivas neste ano. Esses tipos de imóveis andam com problemas de ocupação, inadimplência e/ou faturamento devido às mudanças de comportamento da população provocadas pela pandemia - o que tem afastado investidores.

Exceções

Publicidade

Entre os fundos de tijolos, a exceção está no setor de galpões logísticos, que segue bastante aquecido em virtude da demanda do comércio eletrônico. Vem justamente daí a maior oferta do momento: o fundo Prologis Brazil Logistics Venture está buscando na praça R$ 450 milhões para investir em novos empreendimentos.

O desaquecimento do setor está relacionado à deterioração da economia brasileira. Tanto que o Rec Logística - que teve sua oferta cancelada - não poupou críticas ao governo de Jair Bolsonaro. No comunicado emitido esta semana pelo fundo explicando o porquê do ponto final da sua operação, o fundo apontou a inflação galopante e a PEC dos Precatórios.

Nas palavras do fundo, a "adoção de uma política ainda mais expansionista pelo governo federal, somada ao momento inflacionário já vivido pelo País e pelo alto nível de endividamento público brasileiro, foi recebida de forma negativa pelo mercado", o que inviabilizou a atração de investidores. Poucas vezes gestores são vistos soltando o verbo assim.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 04/01/22, às 16h16.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Publicidade

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.