PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Bastidores do mundo dos negócios

Fundo da TG Core paga R$ 486,5 milhões por 30 centros comerciais da São Carlos

Aquisição inclui cinco lojas de rua e 25 centros de conveniências Best Center

PUBLICIDADE

Foto do author Circe Bonatelli
Aquisição ocorreu por meio do fundo TG Renda Urbana, que fará em breve sua oferta de cotas para captação de recursos Foto: Daniel Teixeira/Estadão - 04/04/2024

Um novo fundo da TG Core, gestora com foco no mercado imobiliário, comprou 30 imóveis de varejo da São Carlos, por R$ 486,5 milhões, apurou a Coluna. A aquisição abrangeu cinco lojas de rua e 25 centros de conveniências da Best Center, braço de negócios da São Carlos que constrói e administra centros comerciais de bairros no interior do País.

PUBLICIDADE

A aquisição aconteceu por meio do fundo de investimento imobiliário TG Renda Urbana, registrado esta semana na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e que fará em breve a sua oferta de cotas para captação de recursos. O objetivo do fundo da TG Core é gerar renda aos cotistas por meio da locação dos empreendimentos comerciais.

Os dados da transação foram divulgados esta semana pela São Carlos, via fato relevante, mas sem revelar o comprador. Procurada, a São Carlos não deu entrevista, nem fez comentários. A TG Core Asset informou que não pode comentar sobre qualquer oferta futura ou em andamento.

Liquidação irá ocorrer em três parcelas

Segundo o fato relevante, a liquidação será em três parcelas: 52,8% na assinatura da escritura de compra e venda, 28,3% em até 12 meses e 18,9% em até 24 meses, todas corrigidas pelo IPCA. A operação inclui a retenção de 5,6% do valor da transação na primeira parcela para renda mínima garantida ao fundo.

Com essa operação, a São Carlos chegou a R$ 1,9 bilhão em vendas de imóveis desde começo do ano passado, quando se desfez de vários prédios de escritórios, com o objetivo de reduzir dívidas e distribuir dividendos, conforme mostrou o Broadcast na época.

Publicidade

Em uma nota distribuída à imprensa, o presidente da São Carlos, Gustavo Machado, afirmou que a transação está em linha com a estratégia da companhia de maximizar valor para os acionistas através de um modelo de operação asset light. “Este modelo proporciona maior flexibilidade e permite à companhia alocar recursos de forma mais eficiente, otimizando a gestão do portfólio e ampliando as oportunidades no setor imobiliário”, declarou.

A medida dará alívio ao endividamento da companhia, na visão do mercado. “Com esse anúncio, a onda de desinvestimentos da São Carlos muda completamente o perfil de alavancagem da empresa”, descreveu o analista Bruno Mendonça, do Bradesco BBI, em relatório. “A venda provavelmente levará a dívida líquida da empresa para perto de zero, incluindo os recebíveis nos próximos 24 meses”, emendou.


Este texto foi publicado no Broadcast no dia 14/06/24, às 11h48

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.