PUBLICIDADE

Publicidade

Confederação pede a lojista aperto no crédito

Presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas envia hoje carta aos 800 mil associados, sugerindo meios de evitar a inadimplência

Foto do author Célia Froufe

Preocupado com a possibilidade de aumento do calote no comércio, o presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), Roque Pellizzaro Júnior, envia hoje uma carta aos seus 800 mil associados recomendando, pela primeira vez, moderação na oferta de crédito."Indicaremos aos associados um aperto de parafuso da concessão de crédito", disse. "O aconselhamento é importante principalmente para o pequeno lojista, que não tem essa análise e não toma medidas preventivas." Para o executivo, não há motivo para preocupação com uma possível queda nas vendas após o "fechamento da torneira" porque o mercado está "comprador" no momento. Não se trata de negar crédito. É preciso, segundo ele, puxar o consumo para um nível em que a inadimplência não seja significativa. Isso significa, conforme Pellizzaro Júnior, que o lojista precisa ficar mais atento ao perfil do cliente e verificar itens como gastos com energia elétrica e comprometimento com pagamento de aluguel, entre outros itens. "Pior do que não vender é vender e não receber", afirmou. A avaliação da CNDL de que a demanda estava reprimida e tem ganhado força com o aumento do emprego e dos salários recebeu base técnica após a divulgação, anteontem, pela Associação Paulista de Supermercados (Apas), de que a maior parte das famílias brasileiras em 2010 gastou acima da renda média mensal. "Isso acende a luz amarela."   Tombini. A recomendação da CNDL converge com o alerta do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, na semana passada. Ele sugeriu que os consumidores adiassem gastos e passassem a poupar para aproveitar o momento de alta de juros. Pellizzaro Júnior, porém, "aperfeiçoou" a recomendação. "É preciso repensar, mas o consumo a crédito. Não queremos que o cliente deixe de consumir, mas que seja mais criterioso. Comprar à vista ou em prazo mais curto é diferente de não consumir."

 

 

 

PUBLICIDADE

        

Dados da CNDL mostram que a inadimplência subiu 3,5% em abril em relação ao mesmo mês do ano passado, apesar de ter recuado 1,55% em relação a março. O que preocupa é o acumulado do ano, que vem subindo a cada mês. Em janeiro, o calote estava 10,09% menor do que no mesmo mês de 2010. No primeiro bimestre passou a ser positivo (0,10%) e no trimestre cresceu mais ainda (1,81%). De janeiro a abril, chegou a 2,24% em relação ao mesmo quadrimestre de 2010. "O brasileiro realmente se endividou um pouco acima de sua capacidade", diz Pellizaro Júnior. Vendas. As vendas do varejo subiram 0,26% de março para abril e 7,23% no mês passado, na comparação com abril de 2010. No acumulado de janeiro a abril, o crescimento foi de 2,77%. A surpreendente alta em abril é explicada pela data da Páscoa. Em 2010, ocorreu antes de a maioria dos trabalhadores receber seus salários, o que influencia no momento da compra.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.