PUBLICIDADE

Publicidade

Dilma acusa países ricos pelo déficit externo

Presidente diz no G-20 que falta de força das economias avançadas não gera demanda

Dilma, ao lado de Obama, diz que Brasil faz a sua parte Foto: PABLO MARTINEZ MONSIVAIS/AFP PHOTO

BRISBANE - A presidente Dilma Rousseff usou a abertura da reunião dos Brics - grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul - para culpar países desenvolvidos pela piora das contas externas brasileiras. Em discurso, defendeu que a falta de força das economias avançadas não gera demanda para estimular emergentes. 

PUBLICIDADE

Ao mesmo tempo, Dilma afirmou que o esforço monetário e a ação para alavancar exportações nos desenvolvidos têm derrubado o preço das commodities, o que compromete a renda e a expansão dos emergentes.

“A situação da economia mundial, infelizmente, pouco avançou. Os países avançados não conseguiram uma recuperação consistente e o comércio internacional não cresce o suficiente para estimular os países emergentes”, disse Dilma, conforme trecho do discurso distribuído pelo Palácio do Planalto. A reunião dos Brics aconteceu na manhã do sábado antes da abertura do encontro de cúpula das 20 maiores economias do mundo, o G-20.

A principal linha de raciocínio da presidente relaciona políticas dos países ricos com os problemas nas economias em desenvolvimento. Dilma destacou especialmente a tendência negativa do preço das commodities. “A queda de preços sinaliza o enfraquecimento da economia internacional e vai comprometer a renda e o crescimento de alguns emergentes”, defendeu. Entre os Brics, Brasil, Rússia e África do Sul são grandes exportadores de commodities. A China é compradora.

Além da economia mais lenta nos países ricos, a queda de preço das commodities ainda seria influenciada pela política monetária dos Estados Unidos: “Isso reflete também uma reacomodação da economia mundial às perspectivas de elevação futura do dólar americano.”

No trecho distribuído pelo Planalto, não há qualquer menção à desaceleração da economia chinesa como fator de influência. Economistas, porém, dizem que o menor crescimento da China é a principal fonte recente da acomodação do preço dos produtos básicos como petróleo, minério de ferro, metais e alimentos.

Cobrança. Diante do diagnóstico, Dilma cobrou ação dos países. “É preciso que os países avançados recomponham sua demanda interna aos níveis pré-crise ao invés de tentar resolver seus problemas com o aumento das exportações”, defendeu. “Essa situação provocou um déficit de transações correntes no Brasil de 3,7% do PIB”, completou Dilma. 

Publicidade

O discurso reforça a tese de que “o Brasil está fazendo sua parte” para a recuperação da economia global. A contribuição brasileira, na avaliação do Planalto, é comprovada pelo déficit em transações correntes. O resultado negativo mostraria que o País demanda mais que produz e, assim, estaria “importando crescimento” de outras nações, o que ajuda na recuperação internacional. As economias ricas, ao contrário, têm superávit ou déficit externo decrescente. Isso, na avaliação do governo brasileiro, mostra que “não ajudam” na recuperação global.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.