PUBLICIDADE

Publicidade

Eletrobras: Ministro diz que oferta de ações deve ocorrer dia 25 de maio caso TCU dê sinal verde

Retomada do segundo e último julgamento do processo de venda, adiado por 20 dias, está marcada para essa quarta-feira; expectativa no tribunal é que seja aprovado pelos ministros

Foto do author Adriana Fernandes

BRASÍLIA - O novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, sinalizou em reunião nesta terça-feira, 17, no Tribunal de Contas da União (TCU) um calendário provável para a privatização da Eletrobras caso a corte aprove a venda da estatal. Segundo apurou o Estadão, Sachsida disse a um ministro da corte que a oferta das ações deve ocorrer no próximo dia 25 de maio, com a liquidação prevista para o dia 9 de junho, se o TCU der o sinal verde para a operação.

A retomada do segundo e último julgamento do processo de venda está marcada para essa quarta-feira e a expectativa no tribunal é que seja aprovado pelos ministros. Ele foi adiado por 20 dias. 

Adolfo Sachsida;recém-empossado como ministro, Sachsida tornou prioridade a venda da estatal. Foto: Dida Sampaio/Estadão

PUBLICIDADE

Recém-empossado no cargo, Sachsida traçou como prioridade máxima garantir a venda da empresa e marcou nos últimos dias uma série de encontros. Por meio da operação, a União diminuirá sua participação na estatal de mais de 60% para cerca de 45% com a oferta de mais ações.

Ministros do TCU alertaram a Sachsida que o julgamento do processo poderia começar do zero se fosse em diante proposta para a Eletrobras antecipar um volume maior de recursos que seriam pagos ao longo de 25 anos para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), fundo que financia uma série de políticas setoriais, no processo de privatização para baixar a tarifa da conta de luz.

Em contrapartida, a empresa adiaria o pagamento de outorga à União previsto para ser feito à vista na modelagem de desestatização da empresa. Sachsida garantiu que essa medida não será feita. O BNDES avalia que todo o processo de desestatização deve movimentar R$ 100 bilhões. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.