PUBLICIDADE

Publicidade

FMI recomenda cuidado com política monetária

Por Agencia Estado
Atualização:

O Fundo Monetário Internacional (FMI) recomenda que o Brasil se mantenha em alerta na condução da política monetária para garantir a meta de inflação neste ano. O fundo observou que a política monetária tem sido afrouxada modestamente nos últimos meses, mas é preciso que o País se mantenha "vigilante para garantir a obtenção da meta de inflação", enquanto a política fiscal permanece nos trilhos. A recomendação consta do World Economic Outlook (Perspectiva Econômica Mundial), documento que está sendo divulgado hoje, no início da reunião de Primavera do FMI. O FMI está prevendo uma inflação de 6,1% para o Brasil em 2002 - estimativa que corresponde à inflação média anual e não pode ser comparada com o índice fechado de dezembro/dezembro, como é o caso do IPCA, utilizado pelo governo para balizar o regime de meta de inflação. Para 2003, o FMI projeta um índice de preços ao consumidor (média anual) de 3,9%. Em relação ao crescimento econômico, o FMI está projetando um crescimento do PIB brasileiro de 2,5% neste ano e de 3,5% em 2003. O fundo estima um déficit em conta corrente de 3,7% do PIB em 2002 e 4,1% em 2003. O documento divulgado pelo Fundo hoje ressalta que o fortalecimento da economia brasileira este ano e no ano que vem deverá ser influenciado pela recuperação econômica em curso nos Estados Unidos e na Europa, além do alívio na crise de energia elétrica que afetou a atividade em 2001. Também a melhora na confiança doméstica. "No entanto, as vulnerabilidades permanecem, especialmente em vista da grande (embora declinante) necessidade de financiamento externo do Brasil. O FMI observou o acesso do Brasil ao mercado de capitais no primeiro trimestre, o que permitiu que o País quase cobrisse sua necessidade de financimento externo em 2002, além de um forte volume de investimento direto. Em relação à Argentina, o FMI está projetando uma queda do PIB neste ano entre 10% e 15% e que, para 2003, a previsão é entre crescimento zero e queda de 3%. A projeção para a América Latina como um todo (hemisfério ocidental) é de um crescimento de 0,7% em 2002 e de um PIB positivo de 3,7% em 2003.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.