PUBLICIDADE

Publicidade

Gás natural sobe até 21,53% em São Paulo

Por RENÉE PEREIRA

A Agência Reguladora de Saneamento e Energia de São Paulo (Arsesp) anunciou ontem um reajuste "provisório" do preço do gás natural distribuído no Estado. Os aumentos chegam a 21,53% para os consumidores industriais e 15,58% para os clientes residenciais nas três concessionárias que atendem os consumidores paulistas.Segundo a agência, o caráter temporário do reajuste deve-se ao fato de o governo estadual estar negociando o preço com a GasPetro, subsidiária da Petrobrás, que detém o suprimento do gás em São Paulo. A Arsesp prevê que o reajuste definitivo das tarifas seja publicado até o fim de junho.O preço do gás fornecido para as concessionárias paulistas, explica a agência, é reajustado trimestralmente de acordo com a variação do dólar e uma cesta de óleos combustíveis derivados do petróleo. Na Comgás, 65% do gás consumido vem da Bolívia e o restante é de gás nacional. Nas outras duas concessionárias, a Gás Natural São Paulo Sul e Gás Brasiliano, 100% do gás é de origem boliviana. Como houve aumento no preço do dólar, o impacto foi maior.Este será o terceiro aumento desde maio do ano passado, conforme mostrou o Estado em reportagem publicada em meados do mês passado. Nas últimas duas elevações, o preço subiu 19%. Para os grandes consumidores, o reajuste provisório causará grande impacto sobre as condições de competitividade da indústria paulista. "Apesar de a Arsesp atender parte dos nossos pleitos, problemas estruturais do cálculo das tarifas não foram solucionados. Além disso, a falta de transparência no processo dificulta a previsibilidade por parte da indústria", afirmou em nota a Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace).Na Comgás, os consumidores industriais terão reajuste entre 11,45% e 16,46%; na Gás Natural, entre 15,7% e 21,53%; e na Gás Brasiliano, 10,53% e 15,42%. Os consumidores residenciais também serão impactados pelos reajustes. Na Comgás, o reajuste médio será de 10,30%; na Gás Natural São Paulo Sul, 15,58%; e Gás Brasiliano, 1,48 %. Para o segmento comercial (1.000 m³/mês) o reajuste foi de 8,01%, 12.54% e de 7.16%, respectivamente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.