PUBLICIDADE

Publicidade

Google entra em projeto bilionário de energia

Empresa de tecnologia será uma das sócias em investimento de geração e transmissão de energia eólica nos EUA avaliado em US$ 5 bilhões

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

THE NEW YORK TIMES / WASHINGTONO Google e uma empresa financeira de Nova York concordaram em fazer investimentos pesados num projeto de infraestrutura de transmissão de energia nos Estados Unidos de custo estimado em US$ 5 bilhões para a construção futura de "fazendas eólicas". Essas unidades serão instaladas ao longo da costa do Atlântico e podem transformar o mapa elétrico da região.A espinha dorsal submarina de 560 quilômetros de comprimento, que pode remover alguns dos principais obstáculos para o desenvolvimento da energia eólica (que usa o vento como combustível), animou os investidores, representantes do governo e ambientalistas que foram informados a seu respeito.O Google e a Good Energies, firma de investimento especializada em energia renovável, concordaram cada qual em assumir 37,5% de participação no projeto. Isto deve atrair outros investidores, o que reduziria a fatia de cada empresa.Caso a participação seja mantida, isto corresponderia a um investimento inicial de US$ 200 milhões por parte de cada uma das duas empresas somente na primeira fase de construção, disse Robert L. Mitchell, diretor executivo da Trans-Elect, empresa de Maryland especializada no ramo das linhas de transmissão elétrica que propôs o empreendimento. A Marubeni, empresa comerciante japonesa, assumiu uma participação de 10%.Vários funcionários e representantes do governo elogiaram a ideia por trás do projeto, chamando-a de genial, ao mesmo tempo alertando para possíveis prejulgamentos de suas especificações técnicas. "Do ponto de vista conceitual, este me parece ser um dos projetos de transmissão mais interessantes que já vi serem propostos", disse Jon Wellinghoff, presidente da Comissão Federal de Regulação Energética, que supervisiona a transmissão elétrica interestadual. "Ele proporciona um ponto de referência para a exploração do potencial energético do vento por meio de múltiplos projetos ao longo da costa."

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.