PUBLICIDADE

Publicidade

Petrobrás reduz preços de gasolina e etanol em todo o Estado de SP

Índice de redução foi diferenciado por regiões e variou entre 3% e 9% para a gasolina e de 8% a 20% para o etanol

Por Chico Siqueira e de O Estado de S. Paulo
Atualização:

A Petrobrás cumpriu a promessa e reduziu nesta quarta-feira, 11, os preços da gasolina e do etanol para seus postos revendedores do estado de São Paulo. O índice de redução foi diferenciado por regiões e variou entre 3% e 9% para a gasolina e de 8% a 20% para o etanol, dependendo da proximidade com os centros de distribuição da BR Petrobrás, a distribuidora da companhia. A redução de preços também foi acompanhada pela distribuidora Ipiranga, mas em menores porcentuais. As duas distribuidoras respondem por mais de 3 mil dos 8,7 mil postos revendedores do estado de São Paulo. Na capital paulista, cerca de 40% dos 2,3 mil postos da cidade representam as duas bandeiras.

PUBLICIDADE

De acordo com o presidente do Sindicato dos Revendedores de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo (Sincopetro), José Alberto Gouveia, na capital paulista, os preços caíram em R$ 0,20 para o etanol e entre R$ 0,05 e R$ 0,08 para a gasolina. Segundo ele, os postos da BR e Ipiranga, que até ontem pagavam R$ 1,74 passaram a pagar R$ 1,54 pelo litro de etanol, uma queda de 11,4%. No caso da gasolina, os preços caíram de R$ 2,50 para R$ 2,42 (-3,2%) nos postos BR e de R$ 2,50 para R$ 2,46 (-1,6%) nos revendedores da Ipiranga.

No interior de São Paulo, a queda foi maior, informaram os revendedores. Na região de Marília, por exemplo, o preço do etanol para os postos BR recuou 19,4%, de R$ 1,80 para R$ 1,45; e o da gasolina 6,3%, de R$ 2,52 para R$ 2,36. "Comprei 10 mil litros de etanol com o novo preço e já repassei a queda para os consumidores", diz Alair Fragoso, dono de um posto BR na cidade de Pompéia, e diretor do Sincopetro na região de Marília. Em Araçatuba, os postos das duas bandeiras, que pagavam R$ 2,68 o litro de gasolina, passaram a pagar nesta quarta R$ 2,45, uma queda de 8,5%. Já o etanol, que era comprado a R$ 1,71 foi adquirido nesta quarta por R$ 1,58 o litro, uma redução de 7,6%.

"No caso da gasolina, a grande queda anunciada não foi tanta", disse o presidente do Sincopetro, José Alberto Paiva Gouveia, lembrando que na terça-feira, revendedores receberam comunicados por telefone e e-mails anunciando uma "grande queda de preços" a partir de quarta-feira. Para Gouveia, a redução é uma tentativa do governo em reduzir os índices inflacionários de maio. "A Petrobrás paga a conta, mas ninguém sabe a que preço", afirma. Para Gouveia, a iniciativa do governo veio novamente atrasada.

"O governo deveria ter tomado atitude em dezembro ou janeiro quando já se comentava sobre a possível falta de combustível; poderia ter importado anidro antes para regular os preços ou ter importado gasolina antes do aumento dos preços, mas não fez, deixou para resolver o problema na última hora e aí deu no que deu", declarou. "Isso acontece há 13 anos e nada garante que isso não vá acontecer no final de 2011 e de 2012", completou.

Dono de seis postos sem bandeira, um empresário que pediu anonimato lembrou que o governo deveria regular o mercado com estoque e pressionar as usinas a reduzir a produção de açúcar para fazer etanol em época de entressafra. "Não há estoque regulador e deram adeus ao acordo de cavalheiros que previa o abastecimento do mercado interno. O governo empresta recursos do BNDES para fabricar álcool, mas as usinas fabricam açúcar. Neste ano, por conta do aumento da produção de açúcar - que remunerou o usineiro melhor que o álcool - deixaram de produzir 3 bilhões de litros de etanol, o que poderia amenizar a crise", comentou.

Repasse ao consumidor. Segundo Gouveia, o repasse deve ser sentido na bomba a partir de segunda-feira, quando a maioria dos postos estiver concluída a renovação de seus estoques. Segundo ele, a tendência é que as outras distribuidoras sigam BR e Ipiranga e os preços continuem em queda.

Publicidade

"Nenhuma distribuidora vai querer perder mercado", diz. No caso das distribuidoras sem bandeiras, as quedas já chegaram ao consumidor nos últimos dias, quando os postos iniciaram o repasse dos novos preços do etanol, que foram reduzidos por conta da entrada da produção da nova safra da cana-de-açúcar.

"Elas sentem os movimentos do mercado primeiro porque trabalham com pouco estoque", explicou Gouveia. As duas distribuidoras não quiseram comentar o assunto, se limitando a atribuir a queda à maior oferta e queda de preços de álcool hidratado e anidro, o primeiro usado para abastecer diretamente na bomba e o segundo na mistura em 25% da gasolina.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.