PUBLICIDADE

'Vamos mostrar que a decisão talvez tenha baixa legitimidade', diz Maia sobre revogação de cotas

Antes de sair do MEC, Weintraub revogou cotas para negros, indígenas e pessoas com deficiência em cursos de pós-graduação

PUBLICIDADE

Foto do author Marlla Sabino

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira que pretende resolver por meio do diálogo a revogação de cotas para negros, indígenas e pessoas com deficiência em cursos de pós-graduação. A portaria foi revogada pelo agora ex-ministro Abraham Weintraub.

Nesta quinta-feira, parlamentares reagiram à decisão de Weintraub e ao menos dois projetos de decretos legislativos para tornar sem efeito a revogação da portaria foram apresentados na Câmara e no Senado.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

PUBLICIDADE

"Vamos conversar com novo ministro, dialogar com ministro da articulação política para ver se nós podemos resolver isso no diálogo, sem necessidade de aprovação de um projeto de decreto legislativo. O ideal é mostrar para o governo que essa decisão do ministro, já sabendo que ia sair, talvez tenha baixa legitimidade", disse Maia.

A portaria revogada era de maio de 2016, assinado pelo ex-ministro da Educação Aloizio Mercadante, ainda na gestão de Dilma Rousseff (PT).O texto determinava a criação de comissões nas universidades para discutir ações afirmativas. Também afirmava que o ministério acompanharia as ações propostas na portaria.

Segundo dados de 2015 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), negros eram 28,9% dos pós-graduandos, apesar de representarem 52,9% da população à época.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.