PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Direitos da criança e do adolescente

Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência: 1.150 bebês nascem de mães adolescentes por dia no Brasil

PUBLICIDADE

Foto do author Bruna Ribeiro
Atualização:
Crédito: Plan International Brasil  Foto: Estadão

A partir de 1º de fevereiro, organizações da sociedade civil promovem uma campanha para a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência. De acordo com a Plan International Brasil e o Instituto Planejamento Familiar, todos os dias, 1.150 bebês nascem de mães adolescentes no Brasil.

PUBLICIDADE

O Fundo de População das Nações Unidas (Unfpa) ainda informa que a cada mil brasileiras entre 15 e 19 anos, 53 se tornaram mães em 2020, enquanto a média mundial é de 41. A gravidez na adolescência também é uma das principais causas do casamento infantil e das uniões informais precoces, aponta a campanha.

Segundo as entidades organizadoras da campanha, o problema é crônico em nosso país e afeta principalmente meninas negras e pobres. "A maternidade precoce tem uma série de consequências com impactos profundos para o futuro das meninas: além dos riscos físicos, como hipertensão arterial gestacional, anemia e partos prematuros, elas tendem a abandonar os estudos, não se profissionalizam e ficam mais sujeitas à violência doméstica", diz Cynthia Betti, diretora da Plan International Brasil.

Por isso a prevenção é fundamental, uma vez que 66% das gestações adolescentes não são planejadas. A parceria entre a Plan International Brasil e o Instituto Planejamento Familiar se dá por meio da divulgação de conteúdos e incidência em políticas públicas.

"Existe uma desigualdade grande entre regiões, estados e municípios. Em vários municípios do interior do Maranhão, por exemplo, a taxa de nascidos vivos entre mães adolescentes chega a 28%, bem acima da média nacional (14,7%). Entre as meninas que ficam grávidas na adolescência, a maioria é de negras e pobres. Isso reforça questões de vulnerabilidade, interseccionalidade de gênero e raça e mostra que as políticas públicas não chegam a todas. Precisamos saber quem são as meninas mais vulnerabilizadas para assegurar que os direitos delas sejam garantidos", afirma Nicole Campos, Gerente de Estratégias de Programas da Plan International Brasil.

Publicidade

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.