PUBLICIDADE

Recuperado, Anderson Varejão escala a namorada como colega de treinos

Ala-pivô não atua desde fevereiro e se esforça para chegar em boa forma física à apresentação da seleção

PUBLICIDADE

Por Amanda Romanelli
Atualização:

SÃO PAULO - O técnico Rubén Magnano nunca escondeu sua preocupação com Anderson Varejão. O ala-pivô, sempre disponível para atender aos chamados da seleção brasileira, passou por momentos difíceis nos dois últimos anos. Com lesões e cirurgia, não pôde disputar o Pré-Olímpico de Mar del Plata, no ano passado, e mal jogou em 2012. Mas o jogador do Cleveland Cavaliers afirma estar recuperado de seu último problema – uma fratura na mão direita, sofrida em fevereiro –, e trabalha para chegar bem à apresentação do grupo olímpico, dia 10.

 

PUBLICIDADE

No esforço para recuperar o tempo perdido, Varejão escalou até a namorada Marcelle para entrar em quadra. "A gente fez uns três treinos juntos. Ela me ajuda nos rebotes, passa algumas bolas", diz o atleta sobre a amada, que não é atleta. "Na verdade, ela nunca jogou, mas para passar uma bola também não é nada de tão difícil assim, né?", comenta, bem humorado.

 

Varejão até tentou participar dos últimos jogos do Cavaliers, mas as dores não permitiram. No Brasil há três semanas, o jogador diz que essa dificuldade foi superada. "Eu já estou fazendo um trabalho físico e com bola, então acho que vai dar para chegar bem na apresentação", disse o ala-pivô, que está no Rio e conta com um programa de treinos preparado pela Confederação Brasileira de Basquete (CBB) e é auxiliado pelo fisioterapeuta Henrique Jatobá, do Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Nos próximos dias, um técnico de seu time na NBA chega ao País para ajudá-lo nos treinamentos.

 

Animado com a sua primeira participação olímpica, Anderson diz que o Brasil vai com um grupo forte para Londres. "Teremos força máxima, e isso vai nos ajudar a brigar por uma medalha, tenho certeza. No que depender de mim, darei o máximo para chegar ao pódio." O jogador nega que o Cavaliers tenta tentado pressioná-lo para não se apresentar à seleção - a informação foi dada por Magnano. "Ouvi que publicaram isso aqui, mas nunca ninguém falou nada para mim. Não tive nenhum problema e, se eu estou totalmente recuperado, não há motivos para que o clube tente me coibir de jogar a Olimpíada."

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.