PUBLICIDADE

Maradona critica escolha de Carlos Ischia para comandar Boca

'Não me parece o nome ideal para a equipe', reclamou o ex-jogador e torcedor do clube portenho

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O ex-jogador argentino Diego Maradona revelou neste domingo que não gostou da escolha de Carlos Ischia para ser o novo treinador do Boca Juniors, e antecipou que rejeitará o convite para ser assessor do clube mais popular do futebol argentino.   "Não gosto de Ischia no comando do Boca, não me parece o nome ideal para a equipe. [Miguel Ángel] Russo tem mais nível que ele, mas foi sacado. Basta observar as trajetórias de um e de outro nos últimos tempos", disse Maradona.   Fontes do clube asseguraram este fim de semana que Carlos Ischia assinará nas próximas horas o contrato para ser o novo treinador do Boca, depois que Carlos Bianchi rejeitou o convite.   Segundo as fontes, Ischia teria aceitado a oferta feita pelo presidente do clube, Pedro Pompilio, para suceder Miguel Ángel Russo no comando da equipe.   Maradona assinalou que rejeitará o convite para se tornar assessor da equipe, que lhe havia sido feito por Pompilio, que acaba de assumir a presidência do clube, após a saída de Mauricio Macri para ocupar a prefeitura de Buenos Aires.   "Agradecerei a Pompilio pela conversa de duas horas que mantivemos na casa de Alejandro Mancuso [seu representante], quando me ofereceu o cargo de assessor, e voltarei a meu camarote como torcedor", afirmou o ex-jogador.   Para Maradona, este "não é o caminho certo para a equipe". Segundo ele, se tivesse que escolher um nome para substituir Russo, teria apontado Héctor Veira, ex-treinador de River Plate e San Lorenzo, além do próprio Boca. "Mas esta foi a decisão tomada por Pompilio, e como presidente do clube ele tem o direito de fazê-lo. Ele não me consultou, como também aconteceu quando decidiu pela saída de Russo. Por isso, digo que não deixo de ser assessor do Boca, pois na verdade nunca fui."   Ischia foi auxiliar de Bianchi no Vélez Sarsfield e no Boca Juniors, e posteriormente treinou o Vélez, o Gimnasia y Esgrima de La Plata e o Rosario Central, clube do qual se desligou em outubro, após obter apenas 10 pontos em 14 rodadas do Torneio Apertura do Campeonato Argentino.   A apresentação formal de Ischia como novo treinador do Boca deve ser realizada já na nesta quarta-feira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.