PUBLICIDADE

Entidade pede ação de patrocinadores dos Jogos de Pequim

Human Rights Watch não quer que empresas como a G&E e Coca-Cola esqueçam de suas 'responsabilidades'

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A organização Human Rights Watch (HRW) pediu nesta quinta-feira aos principais patrocinadores dos Jogos Olímpicos de Pequim que, para evitar danos à imagem das empresas, cumpram com sua responsabilidade de denunciar a violação de direitos humanos na China. Um comunicado da organização afirma que os acionistas e consumidores "não deixarão que as empresas fujam de suas responsabilidades". "Seu silêncio perante os abusos que foram cometidos nos meses anteriores aos Jogos de Pequim transformam suas declarações a favor dos direitos humanos em uma mentira", avaliou Arvind Ganesan, diretora do programa de responsabilidade corporativa da HRW. A organização disse que os principais patrocinadores permaneceram em silêncio, apesar de alguns, como Coca-Cola e General Electric, terem assinado compromissos de respeito aos princípios dos direitos humanos. A HRW afirmou que a empresa americana General Electric tem uma responsabilidade particular no caso por ser a dona da rede de televisão NBC, dona dos direitos de transmissão dos Jogos Olímpicos nos Estados Unidos. Os patrocinadores e os direitos de transmissão representam 97 % da renda do Comitê Olímpico Internacional (COI) e nos últimos três anos colaboraram com cerca de 866 milhões de dólares, segundo a HRW. "Estas companhias literalmente sustentam os Jogos, por isso não podem negar a responsabilidade em relação aos abusos aos direitos humanos", disse Ganesan. HRW exigiu que os patrocinadores comerciais façam com que o Governo chinês respeite os compromissos que assumiu quando Pequim foi escolhida como sede dos Jogos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.