PUBLICIDADE

França vai destruir excesso de vinho usando fundo de R$ 1 bilhão por causa de falta de consumo

Inflação e aumento do consumo de cerveja estão diminuindo consumo da bebida no país, na Espanha e em Portugal

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

O governo da França destinará € 200 milhões (mais de R$ 1 bilhão) para financiar a destruição da produção excedente de vinho, numa tentativa de apoiar os produtores em dificuldades e de reforçar os preços.

PUBLICIDADE

Várias grandes regiões produtoras de vinho na França, especialmente a região de Bordeaux, enfrentam dificuldades devido a uma combinação de problemas que inclui mudanças nos hábitos de consumo, a crise do custo de vida e as consequências da covid-19.

O declínio na procura por vinho levou a um excesso de produção, a uma queda acentuada dos preços e a grandes dificuldades financeiras para um em cada três produtores de vinho na região de Bordeaux, segundo a associação de agricultores locais.

Vinícola perto de Bordeaux, na França, 24 de agosto de 2023. Foto: EFE/EPA/CAROLINE BLUMBERG

Um fundo inicial da União Europeia de € 160 milhões para a destruição do vinho foi elevado para € 200 milhões pelo governo francês, disse o ministro da Agricultura, Marc Fesneau, aos jornalistas nesta sexta-feira, 25.

O dinheiro tinha como objetivo travar a queda dos preços para que os produtores de vinho possam voltar a encontrar fontes de receitas. “Mas a indústria precisa olhar para o futuro, pensar nas mudanças dos consumidores e se adaptar”, ponderou.

A região sudoeste de Languedoc, a maior área vinícola do país, conhecida pelos seus tintos encorpados, foi duramente atingida pela queda na procura de vinho.

O álcool do vinho destruído pode ser vendido a empresas para utilização em produtos não alimentares, como desinfetantes para as mãos, produtos de limpeza e perfumes.

Publicidade

“Estamos produzindo demais e o preço de venda está abaixo do preço de produção, por isso estamos perdendo dinheiro”, disse Jean-Philippe Granier, da associação de produtores de vinho de Languedoc.

Em Junho, o Ministério da Agricultura também anunciou € 57 milhões para financiar a colheita de cerca de 9.500 hectares de vinha na região de Bordeaux, enquanto outros fundos públicos estão disponíveis para encorajar os produtores de uvas a mudarem para outros produtos, como as azeitonas.

A Europa sofreu pela última vez um “lago de vinho” em meados da década de 2000, o que forçou a UE a reformar a sua política agrícola para reduzir a enorme sobreprodução que estava sendo estimulada pelos seus próprios subsídios.

O bloco de 27 membros ainda gasta € 1,06 bilhão anualmente no setor, segundo dados oficiais.

Além de uma tendência de longo prazo de os consumidores mudarem para cerveja e outras bebidas, a indústria foi gravemente atingida pela pandemia de covid que fechou restaurantes e bares em todo o mundo, levando a uma queda acentuada nas vendas.

Os recentes aumentos nos preços dos alimentos e dos combustíveis, ligados ao aumento vertiginoso dos preços globais da energia e à invasão russa da Ucrânia, também levaram os compradores a reduzir os seus gastos em bens não essenciais, como o vinho./AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.