Como a racista ‘teoria da substituição’ tem sido usada por republicanos

Foto: Edu Bayer/The New York Times
Por Nicholas Confessore e Karen Yourish

A teoria da substituição, defendida pelo suspeito do massacre de Buffalo, foi adotada por alguns políticos e comentaristas de direita.

Por Nicholas Confessore e Karen Yourish

THE NEW YORK TIMES - Dentro de uma sinagoga de Pittsburgh em 2018, um homem branco com um histórico de postagens antissemitas na internet matou 11 fiéis, culpando judeus por permitirem “invasores” imigrantes nos Estados Unidos.

No ano seguinte, outro homem branco, irritado com o que chamou de “invasão hispânica do Texas”, abriu fogo contra compradores em um Walmart de El Paso, deixando 23 mortos e depois dizendo à polícia que havia tentado matar mexicanos.

E mais um ataque em massa mortal, em Buffalo no sábado, um homem branco fortemente armado matou 10 pessoas depois de atacar um supermercado no lado predominantemente negro da cidade, escrevendo em uma longa mensagem publicada on-line que os compradores de lá vieram de uma cultura que buscava “substituir etnicamente meu próprio povo”.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Ataque a tiros em Buffalo

Um homem armado invadiu um supermercado em Buffalo, no Estado de Nova York, e atirou contra as pessoas, matando 10 e ferindo outras três no sábado, 14. Foto: Scott Olson/Getty Images/AFP
O local do ataque fica em um bairro predominantemente negro, cerca de 5 km ao norte do centro da 2ª cidade mais populosa de Nova York. Foto: Libby March/ The Washington Post.
A polícia investiga o caso como crime de ódio: entre as 13 vítimas, 11 eram negras. Segundo a governadora de NY, Kathy Hochul, o atirador fez pesquisas demográficas procurando um local com alta concentração de moradores negros. Foto: Gabriela Bhaskar/The New York Times.

+4

Três atiradores, três alvos diferentes – mas todos ligados por uma crença em constante mutação, agora comumente conhecida como teoria da substituição. Nos extremos da vida americana, a teoria da substituição – a noção de que as elites ocidentais, às vezes manipuladas por judeus, querem “substituir” e enfraquecer os americanos brancos – tornou-se um motor de terror racista, ajudando a inspirar uma onda de tiroteios em massa nos últimos anos e alimentando o comício de direita de 2017 em Charlottesville, Virgínia, que acabou em violência.

Mas a teoria da substituição, antes confinada aos pântanos da internet e dos fóruns do Reddit e sites nacionalistas brancos semi-obscuros, tornou-se popular. Em formas às vezes mais silenciosas, o medo que se cristaliza – de uma América futura em que os brancos não são mais a maioria numérica – tornou-se uma força potente na mídia e na política conservadora, onde a teoria foi emprestada e remixada para atrair audiências, retweets e doações.

Por sua própria conta, o suspeito de Buffalo, Payton S. Gendron, seguiu um caminho mais solitário para a radicalização, mergulhando na teoria da substituição e outros tipos de conteúdo racista e anti-semita facilmente encontrados em fóruns da internet, e lançando negros americanos e imigrantes hispânicos como “substitutos” de americanos brancos.

No entanto, nos últimos meses, versões das mesmas ideias, esculpidas e despojadas de temas explicitamente racistas, anti-negros e anti-semitas, tornaram-se comuns no Partido Republicano – faladas em voz alta em audiências no Congresso, ecoadas em anúncios de campanha republicanas e abraçadas por uma crescente variedade de candidatos de direita e personalidades da mídia.

Nenhuma figura pública promoveu a teoria da substituição mais implacavelmente do que o apresentador da Fox, Tucker Carlson, que fez da mudança demográfica “liderada pela elite” um tema central de seu programa desde que ingressou na programação do horário nobre da Fox em 2016. Uma investigação do The New York Times publicada este mês mostrou que em mais de 400 episódios de seu programa, Carlson usou a ideia de que políticos democratas e outras elites variadas querem forçar mudanças demográficas por meio da imigração, e seus produtores às vezes vasculhavam a matéria-prima de seu programa nos mesmos cantos obscuros da internet onde nasceu o atirador de Buffalo.

O apresentador Tucker Carlson, um dos principais propagadores da teoria da substituição, discursa durante a Conferência Nacional Conservadora de 2019, em Washington. Foto: Justin T. Gellerson/The New York Times
O apresentador Tucker Carlson, um dos principais propagadores da teoria da substituição, discursa durante a Conferência Nacional Conservadora de 2019, em Washington. Foto: Justin T. Gellerson/The New York Times Foto: Justin T. Gellerson/The New York Times

“Não é um gasoduto. É um esgoto a céu aberto”, disse Chris Stirewalt, ex-editor político da Fox News que foi demitido em 2020 depois de defender a decisão da rede de chamar o Arizona para o então candidato Joseph R. Biden, e que escreveu um próximo livro sobre como os meios de comunicação alimentam a raiva para construir audiências.

“Os apresentadores de TV a cabo em busca de audiência e políticos em busca de doações de podem ver quais histórias e narrativas estão atraindo as reações mais intensas entre os usuários viciados em boatos online”, disse Stirewalt. Sites de mídia social e fóruns na Internet, acrescentou, são “como um grupo de foco para pura indignação”.

No ano passado, luminares republicanos como Newt Gingrich, ex-presidente da Câmara e congressista da Geórgia, e Elise Stefanik, a congressista de centro-direita de Nova York que se tornou acólito de Trump (e republicana de terceiro escalão da Câmara), ecoaram a teoria da substituição. Aparecendo na Fox, Gingrich declarou que os esquerdistas estavam tentando “afogar” os “americanos clássicos”.

Em setembro, Stefanik divulgou um anúncio de campanha no Facebook alegando que os democratas estavam tramando “uma INSURREIÇÃO ELEITORAL PERMANENTE” ao conceder “anistia” a imigrantes ilegais, o que seu anúncio dizia que “derrubaria nosso eleitorado atual e criaria uma maioria liberal permanente em Washington”. Naquele mesmo mês, depois que a Liga Antidifamação, um grupo de direitos civis, pediu à Fox que demitisse Carlson, o deputado Matt Gaetz, republicano da Flórida, defendeu tanto o apresentador de TV quanto a própria teoria da substituição.

“@TuckerCarlson está CORRETO sobre a Teoria da Substituição ao explicar o que está acontecendo com a América”, escreveu Gaetz no Twitter. Em um comunicado após o tiroteio em Buffalo, Gaetz disse que “nunca havia falado da teoria da substituição em termos de raça”.

A republicana Elise Stefanik é uma das congressistas a ecoar a teoria da substituição. Foto: Tom Brenner/The New York Times.
A republicana Elise Stefanik é uma das congressistas a ecoar a teoria da substituição. Foto: Tom Brenner/The New York Times. Foto: Foto: Tom Brenner/The New York Times

Um em cada três adultos americanos agora acredita que um esforço está em andamento “para substituir os americanos nativos por imigrantes para obter ganhos eleitorais”, de acordo com uma pesquisa da Associated Press divulgada este mês. A pesquisa também descobriu que as pessoas que assistiam principalmente a meios de comunicação de direita como Fox News, One America News Network e Newsmax eram mais propensas a acreditar na teoria da substituição do que aqueles que assistiam à CNN ou MSNBC.

Subjacente a todas as variações da retórica de substituição está a crescente diversidade dos Estados Unidos na última década, à medida que as populações de pessoas que se identificam como hispânicas e asiáticas aumentaram e o número de pessoas que disseram ser mais de uma raça mais que dobrou, de acordo com a Mesa do Censo.

Os políticos democratas geralmente apoiam mais a imigração do que os republicanos, especialmente na era pós-Trump, e pressionam por um tratamento mais humano de imigrantes e refugiados. Mas o número de imigrantes que vivem ilegalmente nos Estados Unidos, que aumentou ao longo dos anos 1990 e 2000, começou a declinar sob o presidente Obama, um democrata a quem os críticos apelidaram de “deportador-chefe”. Não há evidência de votação generalizada por não-cidadãos e outros inelegíveis. E embora Biden tenha estabelecido planos para expandir a imigração legal, agências federais expulsaram mais de 1,3 milhão de imigrantes na fronteira sudoeste sob seu comando, enquanto continuam algumas das políticas de imigração mais restritivas iniciadas pelo ex-presidente Trump.

Ao longo de sua presidência, Trump encheu seus discursos públicos e feeds do Twitter com retórica muitas vezes inflamatória, às vezes falsa sobre imigrantes, e empregou o termo “invasores” para defender um muro na fronteira. Essa linguagem foi adotada de forma mais ampla por seus apoiadores mais fervorosos, como Wendy Rogers, senadora estadual do Arizona, que no verão passado disse no Twitter: “Estamos sendo substituídos e invadidos” por imigrantes ilegais.

Esforços para contatar a Sra. Rogers no domingo não tiveram sucesso. Contatado por e-mail, Gingrich declarou a teoria da substituição “insana”, acrescentando que se opunha a todo antissemitismo, bem como “à violência racista branca em Buffalo”.

Respondendo às críticas ao anúncio de Stefanik na sequência do tiroteio em Buffalo, um conselheiro da deputada enviou duas respostas: uma declaração se solidarizando com as vítimas do ataque em Buffalo, e uma réplica inflamada dizendo que a “reportagem era falsa”, e a deputada “nunca defendeu qualquer posição racista ou fez uma declaração racista”.

Especialistas que estudam o extremismo digital descreveram uma interação complexa entre a versão mais sombria da teoria da substituição que aparece em sites nacionalistas ou de nativistas brancos e as versões atenuadas agora ecoando na direita convencional, incluindo notícias a cabo e meios de comunicação pró-Trump.

“Alguém como Carlson pode apresentar aos espectadores ideias que eles exploram de forma mais completa online, pesquisas que os levam a espaços de extrema direita que reforçam suas visões existentes ou as radicalizam”, disse Nicole Hemmer, historiadora da Universidade de Columbia. “Mas alguém como Carlson também é importante porque ele legitima essas ideias, fazendo com que pareçam menos radicais quando os espectadores as veem.”

Medir a extensão da influência de Carlson na disseminação da teoria da substituição pode ser impossível. Mas as controvérsias em torno do uso da retórica de “substituição” pelo apresentador parecem ter pelo menos ajudado a aumentar a curiosidade do público sobre a ideia.

Até o tiroteio em Buffalo, segundo dados do Google, havia três grandes picos nas buscas no Google por “teoria da substituição” ou “grande substituição”, uma variação europeia popularizada pelo escritor francês Renaud Camus nos últimos anos. Dois seguiram os tiroteios em Christchurch, Nova Zelândia, e El Paso, cada um coberto por agências de notícias de todo o mundo. O terceiro veio em abril de 2021, quando Carlson instou a Fox a demiti-lo depois de defender a ideia de “substituição” demográfica na rede.

O suspeito de Buffalo parece ter mergulhado em fóruns da web como 4chan e 8chan, onde abundam as versões da teoria da substituição. Foi também aí que o suspeito, antes de sair para matar negros no supermercado de Buffalo, postou um manifesto de 180 páginas de argumentos racistas e memes na internet.

Ele escreveu que recebeu suas notícias do Reddit. Ele começou a navegar no 4chan em maio de 2020 “depois de um tédio extremo”, escreveu ele, e rapidamente encontrou uma porta de entrada para o conteúdo de substituição antinegro e antissemita. Refletindo as versões mais extremas da teoria da substituição, o suspeito considerou os negros, como os imigrantes, como “substitutos”: pessoas que “invadem nossas terras, vivem em nosso solo, vivem do apoio do governo e atacam e substituem nosso povo”.

De acordo com uma análise detalhada da Liga Anti-Difamação, instituto que investiga o aumento de casos de racismo, o discurso do suspeito plagiou quase dois terços de outro manifesto – o deixado por um australiano que em 2019 assassinou dezenas de muçulmanos enquanto oravam em duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia. Em alguns casos, o suspeito de Buffalo substituiu as referências do assassino de Christchurch a Angela Merkel, a ex-chanceler alemã, por George Soros, o filantropo bilionário. Uma página do documento do australiano inclui uma suposta contagem de judeus trabalhando nos altos escalões dos principais meios de comunicação, incluindo a própria Fox.

Oren Segal, vice-presidente do Centro de Extremismo da ADL, disse que a redefinição do manifesto de Christchurch pelo suspeito de Buffalo para justificar um ataque aos negros americanos “demonstra a natureza evolutiva e interativa da propaganda extremista”.

A retórica de substituição de Carlson vem sem os elementos explicitamente antissemitas comuns em plataformas racistas da web. Não há indicação de que o atirador de Buffalo tenha assistido ao programa de Carlson, ou qualquer outro na Fox, e Carlson critica a violência política mesmo quando instiga os medos de seus telespectadores.

Mas também há ecos notáveis entre os segmentos de Carlson e a longa litania de queixas do suspeito de Buffalo, refletindo a fronteira indistinta entre reclamações alimentadas pela internet e linhas de ataque agora comuns na mídia e na política conservadoras.

“Por que a diversidade é considerada nossa maior força? Alguém ainda pergunta por quê? É falado como um mantra e repetido ad infinitum”, escreveu o suspeito. A fala quase combina com um dos ataques de Carlson à Fox. “Como, precisamente, a diversidade é nossa força?”, Carlson perguntou em um programa de 2018, um dos muitos em que ele usou a pergunta. “Já que vocês fizeram deste nosso novo lema nacional, por favor, sejam específicos ao explicá-lo.”

Uma porta-voz da Fox se recusou a comentar.

Amy Spitalnick, diretora executiva do Integrity First for America, um grupo que abriu um processo civil bem-sucedido contra os organizadores do comício de Charlottesville em 2017, argumentou que a promoção mais ampla da retórica de substituição normalizou o ódio e encorajou extremistas violentos.

“Este é o resultado inevitável da normalização da Teoria da Substituição e das teses da supremacia branca em todas as suas formas”, disse Spitalnick. “Tucker Carlson pode ser o maior porta-voz dessa normalização – mas ele é apoiado por autoridades republicanas eleitas e outros líderes ansiosos para amplificar essa conspiração”.

Encontrou algum erro?Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade