Escavação encontra 200 corpos em escombros de prédio residencial em Mariupol

Foto: Alessandro Guerra/ EFE
Por Elena Becatoros, Oleksandr Stashevskyi e Ricardo Mazalan

Anúncio de autoridades ucranianas nesta terça-feira, 24, não detalhou quando os corpos foram encontrados, mas funciona como um lembrete sombrio do que se passou em um dos focos dos primeiros meses de guerra

Por Elena Becatoros, Oleksandr Stashevskyi e Ricardo Mazalan

ASSOCIATED PRESS, KIEV — Trabalhadores que escavavam os escombros de um prédio residencial em Mariupol encontraram 200 corpos em um porão, revelaram autoridades ucranianas nesta terça-feira, 24 - um lembrete sombrio dos horrores que ainda vêm à tona das ruínas da cidade que foi uma das principais frentes da guerra nos últimos três meses.

Os corpos estavam se decompondo e um fedor impregnava o bairro, disse Petro Andriushchenko, assessor da Prefeitura de Mariupol. Apesar do anúncio ter sido feito nesta terça, não está claro quando os corpos foram descobertos.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Banhada pelo Mar de Azov, Mariupol foi implacavelmente atacada durante um cerco de meses que finalmente terminou na semana passada, depois que cerca de 2.500 combatentes ucranianos abandonaram a usina siderúrgica de Azovstal, último foco de resistência.

Imagem de 22 de maio mostra caixão sendo colocado em túmulo do cemitério no assentamento de Staryi Krym, nos arredores de Mariupol.
Imagem de 22 de maio mostra caixão sendo colocado em túmulo do cemitério no assentamento de Staryi Krym, nos arredores de Mariupol. Foto: Alexander Ermochenko/ REUTERS

As forças russas já controlavam o resto da cidade, onde cerca de 100.000 pessoas permanecem, de uma população pré-guerra de 450.000, muitas sem comida, água, calor ou eletricidade.

Autoridades ucranianas disseram que pelo menos 21.000 pessoas foram mortas – e acusaram a Rússia de tentar encobrir a extensão dos horrores trazendo equipamentos móveis de cremação. Eles também alegaram que alguns dos mortos foram enterrados em valas comuns. Os ataques também atingiram uma maternidade e um teatro onde civis estavam abrigados.

O presidente ucraniano Volodmir Zelenski acusou os russos de travar uma “guerra total”, buscando infligir o máximo de morte e destruição possível ao seu país.

De fato, não há uma guerra como essa no continente europeu há 77 anos

Volodmir Zelenski, em pronunciamento na noite de segunda-feira, 23

O conflito começou com a expectativa de que a Rússia pudesse dominar o país em uma blitz que durasse apenas alguns dias ou algumas semanas. Mas a dura resistência ucraniana, reforçada por armas ocidentais, atolou as tropas de Moscou.

O Kremlin agora está focado no coração industrial oriental de Donbas – onde os separatistas apoiados por Moscou combatem as forças ucranianas há oito anos e ocupam faixas de território.

As forças russas intensificaram os esforços para cercar e capturar Severodonetsk e cidades vizinhas, a única parte da região de Luhansk que permanece sob controle do governo ucraniano, disseram autoridades militares britânicas na terça-feira.

As forças russas alcançaram “alguns sucessos localizados” apesar da forte resistência ucraniana em posições entrincheiradas, disse o Ministério da Defesa do Reino Unido, mas a queda de Severodonetsk e a área ao redor pode causar problemas logísticos para os russos.

“Se a linha de frente de Donbas se mover mais para o oeste, isso estenderá as linhas de comunicação russas e provavelmente fará com que suas forças enfrentem mais dificuldades de reabastecimento logístico”, disse o ministério.

Fumaça sobe após bombardeio russo em Severodonetsk, em 21 de maio.
Fumaça sobe após bombardeio russo em Severodonetsk, em 21 de maio. Foto: Aris Messinis/ AFP

Dois altos funcionários russos pareceram reconhecer na terça-feira que o avanço de Moscou foi mais lento do que o esperado – embora tenham prometido que a ofensiva atingiria seus objetivos. O secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev, disse em entrevista que o governo russo “não está perseguindo prazos”.

Enquanto isso, o ministro da Defesa, Serguei Shoigu, disse em uma reunião de uma aliança de segurança liderada pela Rússia de ex-estados soviéticos que Moscou está deliberadamente desacelerando sua ofensiva para permitir a retirada de moradores de cidades cercadas – uma afirmação que vem no mesmo dia em que alvos civis foram atingidos.

Enquanto Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, se recupera de semanas de bombardeios implacáveis, os moradores formaram longas filas para receber farinha, macarrão, açúcar e outros alimentos básicos.

Galina Kolembed, coordenadora do centro de distribuição de ajuda, disse à Associated Press que mais e mais pessoas estão retornando à cidade depois que as forças russas se retiraram para se concentrar no Donbas.

Kolembed disse que o centro está fornecendo comida para mais de 1.000 pessoas todos os dias – um número que continua crescendo. “Muitos deles têm filhos pequenos e gastam seu dinheiro com as crianças, então precisam de algum apoio com comida”, disse ela.

Enquanto isso, Kirill Stremousov, um oficial russo instalado na região de Kherson, na Ucrânia, disse que o governo pró-Kremlin pedirá a Moscou que estabeleça uma base militar lá. Anteriormente, Stremousov já havia declarado que a região deveria ser incorporada à Rússia.

Encontrou algum erro?Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade