PUBLICIDADE

Lula prega retorno da Venezuela ao Mercosul a menos de um mês das eleições

Presidente se reúne com Luis Arce em Santa Cruz de La Sierra após Cúpula do Mercosul que marcou adesão da Bolívia ao bloco sul-americano

PUBLICIDADE

Foto do author Jéssica Petrovna

ENVIADA ESPECIAL A SANTA CRUZ DE LA SIERRA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva pregou o retorno ao Mercosul da Venezuela, suspensa por violação da cláusula democrática. O país vai às urnas no dia 28, em eleição marcada pela exclusão de opositores, prisão de críticos e ausência de observadores da União Europeia.

PUBLICIDADE

Sem mencionar o cerco do regime a oposição, Lula disse que espera poder receber logo a Venezuela de volta ao Mercosul, ao celebrar a adesão da Bolívia. “A normalização da vida política venezuelana significa estabilidade para toda a América do Sul”, disse.

Lula está em Santa Cruz de La Sierra, onde se reuniu com o presidente Luis Arce e se solidarizou pela quartelada em La Paz, denunciada como tentativa de golpe de Estado. Ele comparou a situação da Bolívia com o Brasil.

“Assim como no Brasil, a democracia boliviana prevaleceu após um longo caminho entrecortado por golpes e ditaduras. (...) Em 2022, o Brasil completou o bicentenário de sua independência num dos momentos mais sombrios da sua história. Em vez de celebrar, fomos tomados por uma onda de extremismo que desembocou no 8 de janeiro”, disse Lula.

“O povo boliviano já havia provado desse gosto amargo com o golpe de Estado de 2019 e agora se viu acometido pela tentativa de 26 de junho. Às vésperas de comemorar o seu bicentenário em 2025, a Bolívia não pode voltar a cair nessa armadilha. Não podemos tolerar devaneios autoritários e golpismos”, acrescentou.

Presidente Lula é recebido por Luis Arce na Bolívia Foto: Rodrigo Urzagasti/AFP

O líder boliviano afirma que foi vítima de uma tentativa de golpe de Estado mas foi acusado de forjar um autogolpe, o que ele nega. A tese foi levantada inicialmente pelo general Juan José Zuñiga, apontado como líder da intentona, e reforçada por Evo Morales, antigo padrinho político de Luis Arce. Diante do impasse, Lula visita a Bolívia pela primeira vez em seu terceiro mandato sem encontrar com Morales, seu aliado histórico.

“Em todo o mundo, a desunião das forças democráticas só tem servido à extrema direita”, declarou Lula ao lado de Luis Arce no momento em que as divisões ideológicas aumentam o tensionamento político na região.

Publicidade

Lula chegou a Santa Cruz de La Sierra depois da Cúpula do Mercosul, que marcou a adesão da Bolívia ao bloco e expôs o tensionamento político na região. Mesmo com Javier Milei ausente, a Argentina impôs resistências e a falta de consensos atrasou a declaração final, que adotou tom mais brando em relação à intentona na Bolívia.

O Mercosul havia expressado “profunda preocupação e enérgica condenação” logo após a quartelada. Agora, disse apenas que “toda tentativa de afetar instituições democráticas ou afetar a ordem constitucional na Bolívia deve ser condenada”.

Os presidentes da região condenaram rapidamente o cerco do Exército em La Paz, movimento que Lula considerou importante para frustrar a tentativa de golpe. Javier Milei, por outro lado, passou ecoar as acusações de que Luis Arce teria tramado o autogolpe.

“Vejam o que está acontecendo na Bolívia agora mesmo. Estão dispostas a encenar um falso golpe de Estado para ganhar uns pontos a mais na eleição”, disse Milei na versão brasileira do Conservative Political Action Conference (CPAC), evento da extrema direita em que se reuniu com Jair Bolsonaro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.