Momento político inoportuno

Xi Jinping tenta obter um terceiro mandato, em meio a uma redução do crescimento da China

exclusivo para assinantes
Foto do autor: Lourival Sant'Anna

Lourival Sant'Anna

É colunista do 'Estadão' e analista de assuntos internacionais

ver mais

Lourival Sant'Anna

É colunista do 'Estadão' e analista de assuntos internacionais

Veja mais sobre quem faz

Foto do autor: Lourival Sant'Anna

Momento político inoportuno

Xi Jinping tenta obter um terceiro mandato, em meio a uma redução do crescimento da China

exclusivo para assinantes

Coluna

Lourival Sant'Anna

É colunista do 'Estadão' e analista de assuntos internacionais

Veja mais sobre quem faz

Foto do autor: Lourival Sant'Anna

Momento político inoportuno

Xi Jinping tenta obter um terceiro mandato, em meio a uma redução do crescimento da China

exclusivo para assinantes
Atualização:

Continua após a publicidade

Xi Jinping disse na quinta-feira a Joe Biden: “Quem brinca com fogo morre queimado. Espera-se que os EUA entendam isso”. O contexto imediato da frase é a notícia não confirmada de que a presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, aliada de Biden, visitaria Taiwan em agosto. O próprio Biden declarou não estar a par do status desses planos, e ter ouvido de comandantes militares que “não seria uma boa ideia”.

Militares da reserva e civis ultranacionalistas na China têm proposto que aviões militares chineses impeçam o pouso de Pelosi em Taipé, escoltem seu avião ou pelo menos sobrevoem Taiwan, violando seu espaço aéreo. O governo chinês tem sido menos específico.

Para analisar as respostas de Xi a essa e outras possíveis “provocações”, na óptica chinesa, é preciso levar em conta o momento político da China. Xi trabalha para assegurar o terceiro mandato de cinco anos. É um lance arrojado.

Continua após a publicidade

O limite de dois mandatos tinha sido introduzido na Constituição em 1982, por Deng Xiaoping, após o trauma da insistência de Mao Tsé-tung de se manter no poder até o fim da vida. Em 2018, seguindo o desejo de Xi, o Parlamento retirou esse limite.


Presidente da Câmara dos EUA, a democrata Nancy Pelosi, irritou a China com sua programada viagem a Taiwan.
Presidente da Câmara dos EUA, a democrata Nancy Pelosi, irritou a China com sua programada viagem a Taiwan. Foto: J. Scott Applewhite/ AP - 21/07/2022

É praticamente certo que a permanência de Xi será referendada pelo congresso do Partido Comunista, cuja data ainda não foi oficializada, mas deve ocorrer entre outubro e novembro.

Inspirado no confucionismo, segundo o qual a entrega da prosperidade pelo governo é sinal de aprovação celestial, o sistema chinês não é democrático, mas meritocrático. E 2022 não está sendo um bom ano para Xi postular mais cinco.

Sua política de covid zero tem sido desastrosa. O crescimento de 0,4% no segundo trimestre é inaceitável para o padrão chinês, que contém implícita a promessa de retirar da pobreza 1 bilhão de pessoas. Mais alarmante é a contração de 5,7% do PIB de Xangai, epicentro econômico do país. Com um ingrediente político: a cidade é reduto do ex-presidente Jiang Zemin, rival de Xi, e por isso teria sido particularmente castigada.

Aliança sem limites

Outro erro de cálculo de Xi foi a “aliança sem limites” com Vladimir Putin, declarada 20 dias antes da invasão da Ucrânia. A forte resposta internacional levou analistas simpáticos ao regime a considerar, em alguns casos publicamente, que a aproximação com a Rússia foi prejudicial à China.

Vladimir Putin conversa por videoconferência com o presidente chinês, Xi Jinping.
Vladimir Putin conversa por videoconferência com o presidente chinês, Xi Jinping. Foto: Mikhail Metzel/ Sputnikv via REUTERS

Xi tem feito uma gestão de danos para conter a instabilidade. Já promoveu 16 rodadas de negociações com a Índia, importante adversário, desde as escaramuças na fronteira em 2020. E não superou o recorde, batido em outubro, de 56 incursões de aviões chineses em Taiwan. A moderação deve perdurar até o fim do congresso. Depois, Xi deve retomar seu plano de anexar Taiwan. E essa será, provavelmente, a maior fonte de tensões mundiais dos próximos anos.

É COLUNISTA DO ESTADÃO E ANALISTA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade