Polarização marca primeiro turno da eleição presidencial na Colômbia

Foto: Redação
Por Sebastián Aguirre Eastman, Especial para o Estadão

Pesquisas indicam que o esquerdista Gustavo Petro lidera a corrida; ele é seguido por Federico Gutiérrez, que tem apoio dos seguidores do ex-presidente Álvaro Uribe

Por Sebastián Aguirre Eastman, Especial para o Estadão

MEDELLÍN - Os quase 39 milhões de colombianos que podem votar no primeiro turno da eleição presidencial de hoje estão presos mais uma vez na polarização entre dois grupos: os uribistas, conservadores ligados ao ex-presidente Álvaro Uribe, e os petristas, progressistas seguidores de Gustavo Petro.

Especialistas preveem uma abstenção de 47% – quase metade do eleitorado. A luta para ocupar a Casa de Nariño, sede do governo, segundo pesquisas, é a repetição do cenário de 2018, quando Petro foi derrotado pelo atual presidente, Iván Duque, do Centro Democrático, partido fundado por Uribe.

Desta vez, as pesquisas colocam o favoritismo no colo de Petro, que concorre pelo Pacto Histórico, uma coalizão de partidos de esquerda que teria 40% das intenções de voto. Em segundo lugar, aparece Federico “Fico” Gutiérrez, ex-prefeito de Medellín, com 25%.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Em terceiro, uma surpresa: Rodolfo Hernández, candidato da direita radical, que dobrou de tamanho nas últimas semanas, chegando a 20% das intenções de voto, ameaçando a posição de Gutiérrez no segundo turno, marcado para 19 de junho.

Pessoas caminham perto de cartazes do candidato à presidência da Colômbia, Gustavo Petro
Pessoas caminham perto de cartazes do candidato à presidência da Colômbia, Gustavo Petro Foto: Mauricio Dueñas Castañeda/EFE

Gutiérrez ganhou as primárias da Coalizão Equipe Colômbia, cujo discurso é próximo do uribismo. Embora ele não seja do mesmo partido de Duque e Uribe, eles compartilham simpatias. O candidato dos uribistas, Óscar Zuluaga, renunciou em março, alegando “razões pessoais”, e anunciou apoio a “Fico”.

Polarização

Gustavo Vega, diretor da Fundação Forjando Futuro, ex-coordenador da campanha de Petro no Departamento de Antioquia (cuja capital é Medellín), diz que uma vitória da esquerda já no primeiro turno “daria mais tranquilidade ao país tomado pela polarização”. Segundo ele, a possibilidade existe, de acordo com pesquisas internas.

Do outro lado, Daniel Palacios, membro da campanha de Gutiérrez, diz que a Colômbia está numa encruzilhada, entre um projeto socialista, fracassado em outros países latino-americanos, e uma candidatura que defende as liberdades individuais, como a de Gutiérrez.

O problema mais premente de “Fico”, no entanto, vem da direita radical. Hernández é um bilionário extrovertido, do setor de construção civil que tem uma fortuna de US$ 500 milhões. Aos 77 anos, ele ameaça tomar o bilhete de passagem de Gutiérrez para o segundo turno. Hernández já foi comparado a Donald Trump, já que sua carreira política também começou tarde, depois dos 65 anos.

Mulher segura um panfleto com a imagem do candidato á presidência da Colômbia, Federico Gutierrez
Mulher segura um panfleto com a imagem do candidato á presidência da Colômbia, Federico Gutierrez Foto: Santiago Arcos/Reuters

Mauricio Tobón, coordenador da campanha de Hernández em Antioquia, apresenta o candidato da direita radical como uma alternativa à polarização entre uribistas e petristas, da qual os colombianos, segundo ele, estariam cansados.

Em sua campanha, Hernández percorreu apenas as principais cidades. Sua candidatura, no entanto, apostou tudo nas redes sociais, que impulsionaram seu nome a ponto de superar candidatos mais conhecidos – como o ex-prefeito de Medellín Sergio Fajardo, que amarga 5% das intenções de voto.

Réplica

Para Miguel Jaramillo Luján, consultor político, o cenário atual é uma “réplica atomizada do bipartidarismo” colombiano, que ao longo da história dividiu o país entre liberais e conservadores.

Parede com imagens do candidato á presidência da Colômbia Rodolfo Hernandez, uma surpresa nas pesquisas do 1º turno
Parede com imagens do candidato á presidência da Colômbia Rodolfo Hernandez, uma surpresa nas pesquisas do 1º turno Foto: Luisa Gonzalez/Reuters

De acordo com ele, a Colômbia hoje gravita entre duas correntes políticas, representadas por Petro e Uribe, que se alimentam da rejeição ao adversário – exatamente como faziam liberais e conservadores na maior parte dos séculos 19 e 20.

Por enquanto, não existe um terceiro elemento sólido que possa contrabalançá-los. Para ele, é provável que a eleição seja decidida no segundo turno, pois as pesquisas mostram uma estagnação dos dois líderes, apesar do crescimento de Hernández.

Encontrou algum erro?Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade