Putin promete resposta após adesão de Suécia e Finlândia à Otan

Foto: Redação

Sem entrar em detalhes, o presidente russo sinalizou que vai tolerar a adesão dos países, mas alertou que responderá se a aliança instalar bases ou equipamentos militares

Por Redação
Atualização:

Após a Suécia e a Finlândia anunciarem o pedido formal de adesão à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), o presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta segunda-feira, 16, que Moscou não tem problemas com os dois países, mas promete uma resposta a depender do grau das ameaças que a expansão da aliança causará ao seu país.

“Quanto à expansão da Otan, inclusive por meio de novos membros da aliança que são Finlândia e Suécia, a Rússia não tem problemas com esses estados. Portanto, nesse sentido, a expansão às custas desses países não representa uma ameaça direta à Rússia“, disse Putin durante a cúpula da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO) em Moscou.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

“Mas a expansão da infraestrutura militar para este território certamente causará nossa resposta. Veremos qual será com base nas ameaças que serão criadas para nós”, acrescentou.

Entre outras razões, Moscou justifica sua ofensiva contra a Ucrânia por causa da aproximação do país com a Otan e seu apoio político, diplomático e militar ao governo ucraniano. Portanto, o governo russo queria afastar os ocidentais de suas fronteiras.

A decisão encerra uma neutralidade militar histórica dos dois países nórdicos que ficam próximos à Rússia. A Finlândia compartilha uma fronteira de 1.300 quilômetros com a Rússia. Havia 75 anos que os países não estavam em alianças internacionais, mas desde que o presidente Vladimir Putin autorizou suas tropas a partirem em direção a Kiev, autoridades colocaram em xeque o posicionamento de décadas.

O presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente da Finlândia, Sauli Niinisto, em foto de 2017 Foto: Alexander Nemenov/AFP
O presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente da Finlândia, Sauli Niinisto, em foto de 2017 Foto: Alexander Nemenov/AFP 

Putin classificou a expansão da Otan como “artificial”, pois iria além de seu propósito geográfico e estaria influenciando outras regiões “não da melhor maneira”.

A CSTO, aliança liderada por Moscou, reúne países da antiga União Soviética e inclui, além da Rússia, Belarus, Armênia, Cazaquistão, Quirguistão e Tadjiquistão.

O presidente russo disse que a CSTO desempenha um papel estabilizador muito importante no espaço pós-soviético e expressou a esperança de que as possibilidades e a influência da organização só aumentem “nestes tempos difíceis”.

Segundo Putin, os líderes dos países membros da CSTO adotarão nesta segunda uma declaração conjunta sobre cooperação militar. Os Estados pretendem realizar uma série de exercícios conjuntos neste outono, disse.

Também nesta segunda-feira, o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Riabkov, alertou sobre consequências não especificadas se a Finlândia e a Suécia se juntarem à aliança. “Este é outro erro grave com consequências de longo alcance”, disse.

“Que a segurança da Suécia, como da Finlândia, não será reforçada como resultado desta decisão é bastante óbvio para nós”, disse Riabkov em entrevista coletiva. Ele argumentou que “o nível geral de tensão militar aumentará e haverá menos previsibilidade nessa área”.

A resposta da Rússia “vai depender do que, em termos práticos, será o resultado da esperada adesão da Finlândia e da Suécia”, disse. A autoridade russa não deu detalhes, mas alguns comentaristas especulam se a Otan instalaria infraestrutura militar na Suécia ou na Finlândia.

“Eles não devem ter ilusões de que vamos simplesmente tolerar isso”, disse Riabkov.

Suécia confirma candidatura

Após o aval do partido governista, a Suécia confirmou nesta segunda que fará seu pedido de adesão à Otan, seguindo os passos da Finlândia e ratificando a virada histórica dos dois países. Após quase dois séculos de não alinhamento militar, “fechamos uma era para entrar em outra”, disse a primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson, em entrevista coletiva.

A Suécia espera entrar na aliança dentro de um ano, no máximo, disse o presidente-executivo, em um momento em que a Otan está tentando apaziguar algumas reservas de última hora expressas pela Turquia. Os novos membros precisam de unanimidade e ratificação nos parlamentos dos países que já formam a aliança militar.

A primeira-ministra sueca manteve reuniões com os líderes dos partidos parlamentares, para verificar se tem maioria. No domingo, o partido Social Democrata, ao qual pertence o governo sueco, deu o aval para o pedido de adesão, marcando uma decisão histórica do partido.

Com isso, seis dos oito partidos representados na Câmara se declararam a favor da adesão à Otan. Isto representa uma maioria teórica de 304 deputados suecos de um total de 349, ou seja, mais de 85%.

A opinião pública em ambos os países nórdicos foi firmemente contra a adesão à aliança antes da invasão russa, mas o apoio à adesão aumentou rapidamente em ambas as nações depois disso.

A primeira-ministra da Suécia, Magdalena Andersson, durante coletiva de imprensa em que anunciou a decisão do governo de aderir à Otan Foto: Henrik Montgomery/TT News Agency via AP
A primeira-ministra da Suécia, Magdalena Andersson, durante coletiva de imprensa em que anunciou a decisão do governo de aderir à Otan Foto: Henrik Montgomery/TT News Agency via AP Foto: AP / AP

Um antiga potência militar regional, a Suécia evitou alianças militares desde o fim das Guerras Napoleônicas. Como a Finlândia, permaneceu neutra durante a Guerra Fria, mas formou relações mais estreitas com a Otan após o colapso soviético de 1991.

Embora os oficiais da Otan tenham expressado esperanças de um rápido processo de ratificação, todos os 30 membros atuais da aliança devem concordar em deixar a Finlândia e a Suécia entrarem. A Turquia expressou algumas objeções na semana passada, acusando os dois países de apoiarem militantes curdos e outros que o país considera terroristas. Nesta segunda, o presidente Recep Tayyip Erdogan reforçou a objeção, dando sinais de que pretende atrapalhar os planos dos países.

O ministro da Defesa sueco, Peter Hultqvist, disse à emissora pública SVT que uma delegação sueca seria enviada a Ancara para discutir o assunto, o que Erdogan rechaçou. “Dizem que virão à Turquia na segunda-feira. Virão para nos persuadir? Desculpem-nos, mas não se incomodem”, disse.

Países vulneráveis até adesão

A decisão da Suécia é claramente influenciada pela candidatura finlandesa, reconheceu Andersson perante o Parlamento. Se a Suécia se tornar o único país não pertencente à Otan na área do Mar Báltico, com exceção da Rússia, estaria “em uma posição muito vulnerável”, disse.

Apenas os membros têm a proteção da Otan e não os países candidatos, o que levou ambos os candidatos a solicitarem garantias de segurança de vários países da Aliança. Outros países nórdicos como Noruega, Dinamarca e Islândia, que já são membros da Otan, prometeram nesta segunda ajudar a Suécia e a Finlândia.

Andersson disse que a Suécia recusaria armas nucleares ou bases permanentes da Otan em seu solo - condições semelhantes às que os vizinhos Noruega e Dinamarca insistiram quando a aliança foi formada após a Segunda Guerra Mundial.

Enquanto os dois países passam pelo processo de adesão, a Otan poderia fornecer uma garantia provisória de segurança aos países para deter uma ameaça potencial e até concordar em intervir militarmente em seu nome, sugeriu no domingo o ex-embaixador dos EUA na Otan, Ivo Daalder.

“Para a Otan decidir fornecer uma garantia de segurança ou mesmo intervir militarmente não requer um compromisso do Artigo Quinto”, disse Daalder, presidente do Chicago Council on Global Affairs, um instituto de pesquisa. O artigo a que ele se refere é o tratado da Otan que define o princípio da defesa coletiva.

A decisão de oferecer uma garantia de segurança “não precisa de um compromisso de tratado” ou precisa ser aplicada a um aliado do tratado, disse ele, acrescentando que exigiria consenso entre os membros da aliança.

Segundo Dalder, uma retaliação de Moscou contra Helsinque e Estocolmo provavelmente tomará a forma de espalhar desinformação e suspender o fornecimento de energia.

Os Estados Unidos podem por si mesmos oferecerem uma garantia de segurança aos países, como o Reino Unido fez na quarta-feira por meio de uma declaração de segurança mútua com cada país, e a Otan também pode se envolver potencialmente por meio da União Europeia, disse ele.

A Finlândia e a Suécia são membros da União Europeia e, de acordo com um cláusula de defesa mútua do Tratado de Lisboa, os países membros, incluindo os membros da Otan, Alemanha e França, são obrigados a ajudá-los no caso de serem atacados.

“O fato de você ter um compromisso da UE para defender esses países pode evoluir rapidamente para uma contingência da Otan”, disse Daalder./AP, AFP, NYT e W.POST

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade