Queda de avião chinês em março com 132 a bordo pode ter sido intencional, diz jornal

Foto: Hector Retamal/AFP

Investigação preliminar não encontrou indicações de mau funcionamento da aeronave

Por Redação

Dados de voo da caixa preta recuperada do avião da companhia China Eastern Airlines que caiu em março, matando 132 pessoas, indica que alguém no cockpit derrubou o avião intencionalmente, informou nesta terça-feira, 17, o Wall Street Journal, citando pessoas familiarizadas com a investigação preliminar das autoridades dos EUA.

O Boeing 737-800 estava viajando em alta altitude quando de repente mergulhou de nariz, chocando-se contra uma montanha em grande velocidade. Segundo dados do site Flightradar24, que monitora voos, o Boeing 737-800 estava a 966 km/h, próximo à velocidade do som.

Uma autoridade ocidental disse à agência Reuters que o foco está nas ações da tripulação depois que a investigação preliminar não encontrou nenhuma indicação de mau funcionamento no avião. A Boeing, fabricante do jato, e o Conselho Nacional de Segurança em Transportes rejeitaram comentar o caso e encaminharam perguntas aos reguladores chineses.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Bombeiros fazem resgate de vítimas de queda de avião na China
Bombeiros fazem resgate de vítimas de queda de avião na China Foto: Carlos Garcia Rawlins / REUTERS

Queda

Em março, o jato Boeing 737-800, que estava indo de Kunming para Guangzhou, caiu nas montanhas de Guangxi, após uma queda repentina da altitude, matando todos os 123 passageiros e 9 tripulantes a bordo. Este foi o desastre aéreo mais letal na China em 28 anos. Os pilotos não responderam às repetidas ligações de controladores de tráfego aéreo e aviões próximos durante a descida rápida.

A China Eastern Airlines não pôde ser contatada para comentar, mas o Wall Street Journal disse que não surgiram evidências que pudessem determinar se houve problemas com a aeronave do acidente. A Embaixada da China em Washington não respondeu a um pedido de comentário.

A presidente do NTSB, Jennifer Homendy, disse no dia 10 que os investigadores da Boeing viajaram para a China para ajudar na investigação. Segundo Homendy, não foi encontrado nenhum problema de segurança que exigisse ações urgentes. O NTSB também auxiliou os investigadores chineses na revisão do gravador de dados de voo. / REUTERS

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade