PUBLICIDADE

Vírus avança e Europa adota mais restrições e decreta nova quarentena

França, Espanha, Reino Unido e Alemanha voltam a registrar aumento de novos casos e, temendo uma segunda onda da pandemia, exigem que cidadãos que foram passar férias em áreas de risco cumpram período de isolamento ao voltar

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

O temor de uma segunda onda de pandemia do novo coronavírus cresce na Europa diante do persistente aumento de casos em países como França, Espanha, Reino Unido e Alemanha, que nos últimos dias registraram um ritmo médio de expansão de mais de mil novas infecções a cada 24 horas.

Após o retorno de uma aparente normalidade no começo do verão em muitos países, novos fechamentos foram determinados para controlar os casos de covid-19, doença que já matou 761.612 pessoas e infectou mais de 21 milhões no mundo, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

Pessoas se aglomeram no aeroporto de Nice, na França, antes de embarcar para Londres Foto: Daniel Cole/AP

PUBLICIDADE

Na Europa, o número de casos é superior a 3,4 milhões e vem crescendo nas últimas semanas, mas, por enquanto, o número de mortos, não, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). O continente soma mais de 209 mil mortes, atrás de América Latina e Caribe.

As cidades francesas de Paris e Marselha foram declaradas zonas de risco depois que as autoridades observaram um constante aumento de infecções. “A situação está se deteriorando semana a semana”, disse o diretor-geral de saúde, Jérome Salomon, à rádio France Inter. Ele acrescentou que novas infecções surgem todos os dias depois de reuniões familiares, grandes festas e encontros em meio às férias de verão. Entre as medidas para conter os contágios, as autoridades proibiram reuniões com mais de dez pessoas e reimpuseram o uso obrigatório de máscaras em várias áreas da capital.

O Reino Unido, o país europeu mais afetado pela covid-19, com 41 mil mortos, e que também tem registrado um aumento de casos, voltará a impor uma quarentena a viajantes procedentes de França, Holanda e Malta. A medida segue vigente para Espanha, Bélgica, Andorra e Bahamas. Cerca de 160 mil pessoas estão de férias na França, segundo o governo britânico, e uma parte dos cerca de 300 mil franceses que vivem no Reino Unido aproveitam o verão para voltar a seu país. Temendo ter de ficar de quarentena, muitos britânicos estão antecipando seu retorno de férias em cidades francesas.

Irritado com a medida, o governo da França advertiu que o anúncio de Londres provocará uma “medida de reciprocidade” que afetará os franceses ou residentes na França que se encontram atualmente em território britânico.

A Espanha, que registrou mais de 3 mil novas infecções em 24 horas nesta sexta-feira, 14, e na quinta-feira, decidiu fechar as boates e proibir as pessoas de fumar nas ruas sem respeitas a distância de segurança. Com centenas de surtos, a Espanha, que lidera na Europa Ocidental em número de infectados com quase 343 mil, atingiu uma média de 111 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, frente a 33,6 na França e 17 no Reino Unido. 

Publicidade

A Alemanha declarou nesta sexta toda a Espanha, com exceção das Ilhas Canárias, uma zona de risco. Muitos alemães foram passar as férias em cidades espanholas e, a partir de agora, todas as pessoas que retornarem da Espanha deverão se submeter a um teste e respeitar a quarentena à espera dos resultados. A Alemanha tem 223.788 casos e 9.230 mortos. 

Seguindo o exemplo da Alemanha, esta semana o governo italiano também decretou obrigatória a realização de testes em pessoas procedentes não apenas da Espanha, mas também de Malta, Croácia e Grécia, países considerados de risco. Desde o início da pandemia, em fevereiro, a Itália registrou 252.809 casos e 35.234 mortos.

Novas restrições também foram anunciadas na Grécia, que tem registrado um aumento no número de novos casos. Na quarta-feira, o país teve o recorde de 262 novas infecções. Ao todo, a Grécia tem 6.632 casos confirmados e 223 mortes. Bares, restaurantes e casas noturnas não poderão funcionar após a meia-noite e devem seguir estritamente as medidas de segurança. Também estão proibidos encontros públicos e sociais com mais de 50 pessoas. / NYT, REUTERS, EFE e AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.