PUBLICIDADE

'Pai' da web, Tim Berners-Lee anuncia plano para salvar a internet

O criador da web convocou governos, empresas e indivíduos para garantir que a web seja protegida de abusos

PUBLICIDADE

Por Redação Link
Atualização:
Tim Berners-Lee, criador da web Foto: Vincent West/Reuters

Tim Berners-Lee, físico britânico que desenvolveu a web, anunciou neste domingo, 24, um plano para salvar a web de manipulação política, notícias falsas, violações de privacidade e outros problemas. Chamado de Contrato para a Web, esse plano solicita o apoio de governos, empresas e indivíduos para garantir que a web seja protegida de abusos e opere em benefício à humanidade. A informação é do jornal The Guardian

PUBLICIDADE

"Acho que o medo das pessoas de que coisas ruins aconteçam na internet está se tornando, justificadamente, cada vez maior", disse Berners-Lee ao The Guardian. “Se deixarmos a web como está, há um número muito grande de coisas que darão errado. Podemos acabar em uma distopia digital se não mudarmos as coisas”, afirmou. 

O contrato está sendo construído há mais de um ano e foi publicado neste domingo pela Fundação Web, de Tim Berners-Lee. O plano estabelece nove princípios centrais para salvar a internet e conta com o apoio de mais de 150 companhias, como Microsoft, Twitter, Google e Facebook, além de grupos de direitos digitais. 

"As forças que levam a rede na direção errada sempre foram muito fortes", disse Berners-Lee. "Seja você uma empresa ou um governo, controlar a web é uma maneira de obter grandes lucros ou garantir que você permaneça no poder". 

Os princípios estabelecem que os governos façam tudo o que puderem para garantir que as pessoas tenham acesso à web com respeito à privacidade. Além disso, o contrato afirma que os usuários devem ter o direito de se opor ao armazenamento de dados pelas plataformas. O plano também encoraja indivíduos a criarem conteúdos ricos e relevantes para tornar a web um ambiente melhor. 

“Precisamos de um movimento global pela web como temos hoje pelo meio ambiente”, disse o criador da web. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.