PUBLICIDADE

Em crescimento acelerado, Discord recebe investimento de US$ 500 mi

Segundo a Bloomberg, a rede social já tem valor de mercado de US$ 15 bilhões

PUBLICIDADE

Por Redação Link
O Discord tem hoje mais de 150 milhões de usuários ativos mensais. Foto: Dado Ruvic/Reuters

Mistura de rede social com plataforma de comunicação, o Discord virou ferramenta fundamental para muitos jogadores — e, na pandemia, passou a ser usado também como um serviço para o mundo do trabalho. Em ritmo de crescimento acelerado, a empresa anunciou nesta quarta-feira, 15, que recebeu um investimento de US$ 500 milhões. Segundo a agência de notícias Bloomberg, com a rodada, o Discord atinge valor de mercado de US$ 15 bilhões. 

PUBLICIDADE

O aporte foi liderado pelo grupo Dragoneer Investment. Participaram também os fundos Baillie Gifford & Co, Coatue Management, Fidelity Management & Research Co e Franklin Templeton, ao lado de outros investidores existentes. 

Nascido com DNA gamer e originalmente visto como uma rede social para jovens da Geração Z, o Discord ganhou força em meio à pandemia de covid-19 e ampliou o leque de usuários. A plataforma tem hoje mais de 150 milhões de usuários ativos mensais.

O Discord é uma mistureba de diversos instrumentos que vieram do cardápio de concorrentes: tem um pouco de inspiração no WhatsApp, no Slack, no Zoom, no Reddit e na Twitch — até o Clubhouse parece ter saído de uma costela do serviço. A rede social afirma que tem como objetivo promover “todo o tipo de encontro” virtual, até mesmo envolvendo o mundo do trabalho e de estudos. 

Em um comunicado nesta quarta, Jason Citron, presidente executivo do Discord, afirmou que o investimento será usado “para investir em novos recursos e ferramentas” e expandir o número de funcionários da empresa.

No começo deste ano, a agência de notícias Reuters revelou que a Microsoft estava em negociações para comprar a Discord por mais de US$ 10 bilhões — a rede social, porém, recusou a proposta e as conversas terminaram em abril. / COM REUTERS

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.