Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Renovação com o Palmeiras parece não animar Gilson Kleina

Técnico teve que ouvir a revelação do presidente de que pensou em outros seis ou sete treinadores

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2013 | 07h55

SÃO PAULO - No dia em que deveria estar sorridente e de peito estufado por ter renovado contrato com o Palmeiras, depois de uma novela que se arrastou por um mês, Gilson Kleina era um homem cabisbaixo e constrangido ao lado do presidente Paulo Nobre. E ficou claro que terá de superar a desconfiança da própria diretoria para triunfar no ano do centenário.

O técnico garantiu que o semblante fechado era apenas cansaço por causa da reunião que durou quase oito horas na noite anterior e que terminou perto da meia-noite. Mas quem o conhece e se habitou a ver suas entrevistas, percebeu que ele não estava à vontade.

Kleina, que já não havia gostado nada de saber que o diretor executivo José Carlos Brunoro tinha ido para a Argentina negociar com Marcelo Bielsa, ficou em situação constrangedora durante a coletiva desta quarta-feira no instante em que Paulo Nobre admitiu ter pensado em outros técnicos brasileiros antes de decidir renovar o seu contrato.

“Como presidente tenho a obrigação de estudar todas as possibilidades. O Bielsa está em outra fase da carreira e me senti na obrigação de entender sua filosofia de trabalho. Avaliamos cinco ou seis técnicos no Brasil até para ter a convicção que o Kleina era o nome ideal.” Quando Nobre fez essa revelação, o semblante de Kleina ficou ainda mais fechado.

Pelo acordo, Kleina vai receber R$ 210 mil mensais – o contrato atual é de R$ 300 mil – e passará a ter bônus por conquistas e metas. Em relação à multa rescisória, um dos pontos de discórdia, ficou decidido que, caso seja demitido, ele vai receber três meses de salário. Mas se for contratado por outro clube nesse período o Palmeiras para de pagar.

HORA DE TOMAR DECISÕES

Agora a missão da diretoria é correr atrás de reforços e definir quais os jogadores que ficarão para 2014 e quais serão dispensados. Mas nesse ponto Kleina parece tranquilo. “Temos uma base e precisamos de contratações pontuais, o que é mais fácil. Se houver atrasos nas contratações, temos um time para começar a temporada.”

O elenco tem 13 atletas com contrato vencendo em dezembro. Estão no clube por empréstimo: Fernandinho, Marcelo Oliveira, Charles, Léo Gago, Ronny, Ananias, Rondinelly, Leandro, Bruno, Vilson, André Luiz, Márcio Araújo e Wendel.

A diretoria já conversou com Vilson, Leandro e Márcio Araújo e ofereceu aos três um contrato de produtividade – como deve propor também para os jogadores que tentará contratar. Vilson e Leandro não gostaram da primeira oferta, mas ainda vão negociar. Márcio Araújo aguarda um novo contato. “Esse conceito é dividir responsabilidades. Se o clube atinge seus objetivos, todos vencem”, explicou Nobre.

Certo mesmo é que os jogadores entram de férias na segunda-feira, voltam ao trabalho dia 3 de janeiro e dois dias depois viajam para Itu, onde ficarão concentrados até dia 15. A estreia no Paulistão será dia 19, contra o Linense, no Pacaembu.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasFutebolSérie BGilson Kleina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.