1º exame nacional para gripe suína vai acelerar resultado

O Ministério da Saúde apresenta hoje o primeiro exame totalmente desenvolvido no País para diagnosticar gripe suína e que poderá acelerar a obtenção de resultado.

Lígia Formenti / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2010 | 00h00

Feito em parceria pelos institutos Oswaldo Cruz, Carlos Chagas, Bio-Manguinhos e Biologia Molecular do Paraná (IBPM), o teste passará a ser usado nos três laboratórios de referência para a doença, Adolfo Lutz (SP), Evandro Chagas (PA) e Fiocruz (RJ) e nos Laboratórios Centrais de Saúde Pública do Paraná, de Brasília e de Salvador.

O custo do produto brasileiro é de 30% do valor do teste importado. Mas, para integrantes do projeto, a importância do kit brasileiro não está na economia. "O domínio da tecnologia é estratégico. Garantimos autonomia e agilidade", afirma o pesquisador Marco Aurélio Krieger, do Instituto Carlos Chagas e do IBPM.

Em 2009, após os primeiros casos, o Brasil teve de esperar cerca de 20 dias para receber kits indispensáveis para saber se o vírus havia chegado.

Quando a pandemia estava em curso, formou-se fila de espera para receber resultado de testes. Diagnósticos que deveriam ser concluídos em 72 horas passaram a ser divulgados depois de mais de semanas. Uma demora creditada à falta de testes na quantidade necessária.

"A agilidade na realização e obtenção dos resultados dos exames é essencial. É o primeiro passo para saber o comportamento, a dimensão da doença no País", avalia o diretor de Bio-Manguinhos, Artur Roberto Couto.

A ideia é que o teste possa ser adaptado para diagnosticar eventuais mutações do H1N1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.