10 grifes formam time de comentaristas

À mesa, economia, saúde, diversão e arte

21 de maio de 2011 | 16h00

O time de comentaristas escalado para se revezar na bancada de Heródoto Barbeiro no novo Jornal da Record News é um dos charmes - e trunfos - do noticiário, a começar por duas das maiores autoridades em saúde do País: o infectologista David Uip e o cirurgião cardiovascular e ex-ministro Adib Jatene.

Lá estarão também os jornalistas Nirlando Beirão e Ricardo Kotscho, para falar do que lhes der na telha. Na segunda-feira, quando o produto foi apresentado à imprensa especializada em televisão, Heródoto apresentou um a um. "E você, vai falar do quê", perguntou a Rubens Ewald Filho. "De futebol", brincou o jornalista cinéfilo mais famoso do País.

Enquanto Ewald faz (a boa) fita, a bola fica mesmo com Cosme Rímoli, jornalista expert em esportes. Traduzir o economês será obra para o economista Roberto Macedo, articulista do Estadão. Já o jornalista Daniel Castro, especialista em TV e mídia, entra no assunto com promessa de falar até da Globo. À atriz Beth Goulart caberá lançar um olhar sobre a cultura brasileira, por quem vive e faz parte do mise-en-scène. E o humorista Bruno Motta, no ar às segundas-feiras, fará com que nenhum deles perca a piada. "Não vale fazer piada do nosso Coringão", alertou Heródoto. "Do Coringão eu nem preciso fazer piada: ela vem pronta", rebateu Motta, rápido.

Liberdade para trafegar sobre qualquer tema e disposição em multiplicar opiniões, em especial para refutar coros uníssonos, compõem as motivações do dream team - só para usar aqui um termo citado por Nirlando. "Quando perguntei sobre o que eu deveria falar, me disseram que podia ser sobre qualquer coisa, e nunca me falaram isso em lugar nenhum!", destacou Nirlando, para gargalhada dos demais.

No pacote, Kotscho leva para o R7, portal de internet da casa, o seu blog, Balaio do Kotscho, antes abrigado pelo IG. "Quero falar de tudo, não só de política. Sempre fui repórter de geral, e política às vezes é muito chato, fica aquela briguinha partidária, não é minha praia", assegura ele, que trabalhou com o ex-presidente Lula por anos a fio, como candidato e como presidente. "Fiquei só dois anos no governo e isso não faz bem pra saúde. A TV tem política demais, a gente precisa ter mais Brasil e menos Brasília." Sobre o vínculo da Record com a fé, Kotscho desconversa: "Não fiz contrato com a igreja, fiz contrato com uma rede de televisão que é a segunda do País".

Para Beth Goulart, a oportunidade é inédita. "Quando recebi esse chamado achei tão inovador. É uma honra estar ao lado deles, são todos especialistas em assumir seus comentários publicamente. Exercitar seu ponto de vista assinando embaixo tem outra responsabilidade." Beth passeia por teatro, em especial, mas também tem o incentivo de Heródoto para entrar nos bastidores da novela Vidas em Jogo, seu outro trabalho na casa. / A. D. e T. P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.