20 milhões usaram livros de história rejeitados pelo MEC

Livros da coleção Nova História Crítica têm sido acusados de veicular propaganda ideológica do socialismo

20 de setembro de 2007 | 00h54

O coleção de livros didáticos Nova História Crítica, do autor Mario Schmidt, já foi usada nos últimos dez anos por cerca de 20 milhões de estudantes no País.  Os livros foram, neste ano, rejeitados na avaliação do Ministério da Educação (MEC) e têm sido acusados de veicular propaganda ideológica do socialismo.  Segundo a Editora Nova Geração, responsável pela publicação, foram comprados e distribuídos às escolas públicas 9 milhões de exemplares da coleção nos últimos anos. Veja reportagem completa em O Estado de S. Paulo e confira, abaixo, trechos das obras para 7ª e 8ª séries: Nova História Crítica para 8ª série:  Na introdução "Ou seja, o autor não é o dono do saber absoluto." Página 225 "Cuba é um país pobre que conseguiu bons resultados no campo da educação e da saúde. Por que o Brasil, que tem uma economia mais industrializada e uma renda per capita superior à cubana, ainda não alcançou esses resultados?"  "Logo depois da Revolução Cubana, inúmeros comandantes do Exército e da Polícia do antigo ditador Fulgêncio Batista, conhecidos por suas ligações com a tortura de presos políticos, a corrupção e as ligações com a máfia, foram julgados por tribunais revolucionários e fuzilados. Na revolução nicaragüense, ao contrário, os oficiais somozistas desonestos e assassinos foram punidos apenas com alguns anos de cadeia. Você concorda que torturadores e assassinos de presos políticos sejam executados depois de uma revolução popular?"  Nova História Crítica para 7ª série: Página 109 "E como foi que a burguesia inglesa conseguiu acumular tanto capital? Financiando os ataques corsários (piratas), traficando escravos, emprestando dinheiro a juros, pagando salários miseráveis aos artesãos empregados nas manufaturas e, claro, vencendo guerras, comerciando, impondo tratados a países mais fracos."  Página 211 Comparação entre vida tradicional e vida na modernidade: Sociedades tradicionais *Vida tranqüila na aldeia *Vida comunitária: todo mundo se conhece * Sentimento de solidariedade *O tempo passa mais devagar e acompanha os ciclos da natureza  Modernidade *Vida agitada na cidade * Solidão nas grandes cidades * Individualismo e competição *Tempo é dinheiro: disciplina do trabalho para aumentar a produção tudo muda sem parar"

Tudo o que sabemos sobre:
livros didáticoshistóriaMEC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.