30 fogem da carceragem da Polinter

Bando rende agentes penitenciários para resgatar integrantes de facção

Pedro Dantas, O Estadao de S.Paulo

30 de novembro de 2009 | 00h00

Trinta presos fugiram na manhã de ontem da carceragem da Polinter, no Grajaú, zona norte do Rio. De acordo com a Polícia Civil, três foram recapturados, dois voltaram espontaneamente e 25 permanecem foragidos. A fuga foi comandada por seis homens que chegaram à Polinter armados com fuzis e pistolas. Cinco vestiam camisas da Polícia Civil, calças pretas e coturnos e um fingia ser um preso trajando bermuda e com o documento de identidade na mão.

Os agentes penitenciários abriram a porta e foram rendidos. Os falsos policiais resgataram presos que seriam ligados à facção criminosa Comando Vermelho, do Morro da Mangueira e do Jacaré. O grupo fugiu em dois carros. Os outros fugitivos aproveitaram o resgate e deixaram a Polinter a pé.

Os presos recapturados e os agentes rendidos prestaram depoimento ontem na 18ª Delegacia de Polícia. Os dois presos que voltaram sozinhos à carceragem disseram que foram obrigados a fugir depois que os falsos policiais abriram cinco celas. De acordo com o Coordenador de Controle de Presos da Polinter, delegado Orlando Zaccone, os 25 foragidos já estão identificados.

A 20ª Delegacia de Polícia (Vila Isabel) investigará a fuga e uma sindicância vai apurar a responsabilidade dos policiais plantonistas. "É preciso rever os procedimentos. Este episódio revelou os pontos fracos do sistema. Um deles é a comunicação entre as delegacias no momento da transferência dos presos", disse o delegado.

Localizada na divisa entre Grajaú e Vila Isabel, a carceragem da Polinter abriga 150 presos, que é sua capacidade máxima. O prédio fica ao lado de uma das ruas de acesso ao Morro dos Macacos e quase foi invadido em 17 de outubro, quando moradores tentaram linchar os presos, integrantes da facção criminosa que tentou invadir a favela naquele dia. Na ocasião, um helicóptero da PM foi abatido a tiros, causando a morte de três policiais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.