400 participaram de 2ª manifestação do dia em Campinas

Trabalhadores ligados as centrais sindicais realizaram duas manifestações nesta quinta-feira, 11, em Campinas, no "Dia Nacional de Lutas". Às 18h, um ato aconteceu no Largo do Rosário, região central da cidade. O movimento teve a adesão de estudantes da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e de integrantes do Movimento Passe Livre. Por volta das 19h, eles fecharam a Francisco Glicério, novamente, e seguiram em passeata em direção a prefeitura.

RICARDO BRANDT, Agência Estado

11 de julho de 2013 | 19h52

Segundo a PM, cerca de 400 pessoas participam do ato, que até o início da noite desta quinta-feira seguia pacífico.

A primeira manifestação na cidade começou às 9h com uma passeata pelas ruas do centro da cidade, que gerou congestionamento e fez com que comerciantes fechassem as portas das lojas.

Rodovias

Nas rodovias da região, em quatro pontos houve protestos pela manhã.

Em Campinas, moradores do Campo Belo, que terão seus imóveis desapropriados pela ampliação do Aeroporto Internacional de Viracopos, fecharam das 7h às 11h a rodovia Miguel Melhado Campos (SP-324), que liga o aeroporto a Vinhedo.

A manifestação, com cerca de 500 pessoas, terminou em confronto com a PM. Um pequeno grupo que ficou no local, quando a maioria já havia se dispersado, começou a atirar pneu queimados e rojões contra os policiais.

A Tropa de Choque havia montado um cordão de isolamento para impedir que os manifestantes fechassem a rodovia Santos Dumont (SP-75) ou a entrada de Viracopos. Os policiais reagiram com bombas de efeito moral e de gás lacrimogênio. Por volta das 11h a pista foi liberada.

Mais conteúdo sobre:
protestosCampinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.