54% dos brasileiros são a favor de retirada imediata do Iraque

País é um dos poucos que defendem atitude mais radical em vez de saída gradual.

Andrea Wellbaum, BBC

06 de setembro de 2007 | 22h51

Mais da metade dos brasileiros entrevistados para uma pesquisa de opinião sobre a permanência das tropas estrangeiras no Iraque disseram ser favoráveis a sua retirada imediata do país.De acordo com um levantamento encomendado pelo Serviço Mundial da BBC, 54% das 802 pessoas entrevistadas entre os dias 6 e 25 de junho deste ano disseram que os soldados da coalizão liderada pelos Estados Unidos devem deixar o Iraque imediatamente.O Brasil é um dos poucos países, ao lado do México e de três nações muçulmanas (Indonésia, Turquia e Egito), em que a maioria prefere uma medida mais radical à saída gradual das tropas."Os Estados Unidos emergem como um problema e não como uma soloção para o mundo. E no Brasil a percepção não é diferente", disse Fabián Echegaray, integrante da Market Analysis, empresa que conduziu a pesquisa no Brasil. "A partir de agora, o presidente Bush se defrontará com uma opinião dividida na equipe interna e terá uma maioria de pessoas no mundo se opondo a seus planos."Outros 16% dos brasileiros entrevistados também defendem a retirada das forças de coalizão, mas de forma gradual, durante um ano, e apenas 22% dos entrevistados acreditam que os soldados deveriam permanecer no Iraque até que a situação no país se estabilize.Em relação aos planos dos Estados Unidos em longo prazo, os brasileiros se mostram relativamente divididos: 47% acreditam que o governo americano vá manter bases militares permanentes no Iraque, enquanto 41% acham que as tropas vão ser completamente retiradas após a estabilização da situação no Iraque.O Ministério das Relações Exteriores não se pronunciou oficialmente sobre a retirada de tropas do Iraque, mas ressaltou que sempre foi contrário à invasão do país por não ter sido autorizada pelo Conselho de Segurança da ONU.No último comunicado sobre o conflito, em agosto, o governo afirmou que "o caminho do diálogo e da negociação, segundo os princípios da Carta das Nações Unidas, é a base para a paz e o entendimento entre os povos".Em 2004, o governo brasileiro iniciou a reativação gradual de sua embaixada na capital iraquiana, Bagdá, com a instalação do Núcleo de Assuntos Iraquianos na embaixada do Brasil em Amã, na Jordânia.O núcleo foi dissolvido em setembro de 2006, quando a embaixada para o Iraque foi instalada, porém ainda na capital da Jordânia.O embaixador Bernardo de Azevedo Brito disse que o objetivo é a transferência da embaixada para Bagdá assim que for possível, mas ainda não foi determinada uma data para a mudança."A transferência envolve riscos e custos, e enquanto eles forem maiores do que os benefícios, melhor ficarmos onde estamos. Aqui em Amã estamos realizando muitos encontros, fazendo contatos e progredindo bastante, por enquanto", afirmou Brito.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.