9 à esquerda

Quem mora na região metropolitana de São Paulo já deve ter recebido nos últimos meses duas ou três mensagens avisando sobre o acréscimo do dígito "9" ao número do celular. A medida, anunciada em janeiro pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), já entra em vigor no domingo, 29 de julho. O objetivo é ampliar a numeração da área de DDD 11 - a capital paulista e 63 municípios da região.

O Estado de S.Paulo

23 Julho 2012 | 03h09

O dígito 9 será acrescentado à esquerda de todos os números móveis da área 11, com exceção dos números de rádio, como os da Nextel. Os celulares passarão a ter o formato 9xx-xxx-xxx.

O período de transição é de 90 dias. Nos dez primeiros, chamadas com oito dígitos serão encaminhadas normalmente. Após o período, ligações incorretas serão interceptadas com alertas sobre o nono dígito. Depois dos 90 dias, as chamadas com oito dígitos não serão mais completadas.

A Anatel estima que a transição custe R$ 300 milhões. A mudança é gratuita para o usuário, que deve atualizar seus contatos - o que não precisa ser feito manualmente por quem tem um smartphone (veja abaixo).

A mudança possibilitará um total de 90 milhões de combinações. Atualmente, com oito dígitos, são possíveis 37 milhões de números e o DDD 11 já tem 34,2 milhões de linhas ativas.

Para o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), é preciso garantir a qualidade do serviço. Um exemplo é a medida tomada pela Anatel semana passada de proibir as operadoras com mais reclamações em cada Estado de vender novas linhas. "O aquecimento da telefonia móvel deve ser acompanhado de medidas que garantam a qualidade", diz Veridiana Alimonti, do Idec. "A oferta de serviços tem de ser proporcional às medidas das empresas para ampliação da capacidade de rede e da qualidade de atendimento."

Anna Carolina Papp

carol.papp@grupoestado.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.