A cerveja do topo da lista

A cerveja é a principal atração da pitoresca Vleteren, cidade de apenas 3.700 habitantes na Bélgica. E não por acaso. Sua Westvleteren 12 é a melhor cerveja do mundo, de acordo com o ranking do site americano RateBeer. Desbancou a sueca Närke Kaggen Stormaktporter.

JOHN TAGLIABUE , NEW YORK TIMES, TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA, O Estado de S.Paulo

07 Março 2013 | 02h16

A fabulosa cerveja marrom tem sido produzida ali há 150 anos, com a mesma fórmula, pelos monges da abadia local St. Sixtus. A procura tem sido tão intensa que os interessados em comprar a bebida formam enormes filas de carro nas proximidades da abadia - quando o tempo está bom, as filas chegam a cinco quilômetros. E as vendas são controladas: apenas duas embalagens por pessoa, a US$ 27 cada uma.

O que torna a Westvleteren 12 ainda mais atraente é a recusa dos monges em ampliar a produção. Eles fazem 492 mil litros de cerveja por ano. Há 60 anos. Resultado, não se consegue comprar a cerveja fora da abadia nem prová-la nos pubs e restaurantes da cidade. Na vizinha Bruges, sim, é possível comprar uma garrafa de Westvleteren 12 por quase US$ 35. Provavelmente é cerveja revendida.

De exportação, nem se fala. Somente uma vez, no ano passado, os monges venderam para os Estados Unidos, onde uma embalagem de seis garrafas custava US$ 85. Mas a venda foi feita só para financiar a reconstrução dos edifícios da abadia, concluída no fim do ano passado, que estavam em ruínas.

A popularidade da Westvleteren 12 criou empregos, embora em número modesto. Seis laicos trabalham em St. Sixtus, cinco deles na cervejaria. E, além deles, há uma dezena no restaurante e na loja de souvenirs perto do portão da abadia.

Apesar de todo o sucesso da bebida que produzem, os 21 monges insistem em que são, acima de tudo, homens de Deus e não vendedores de cerveja. "Muitas pessoas se beneficiam" com o sucesso da Westvleteren 12, disse Mark Bode, um laico que produz cerveja na abadia há dez anos e atualmente é uma espécie de porta-voz. "A cerveja dá à aldeia o seu perfil."

Tanto sucesso estimulou o aparecimento de uma outra microcervejaria na cidade, a De Struise - que produz a Pannepot, veja na degustação ao lado, além de uma boa stout. Ali, quem conduz o visitante ao depósito de tonéis é o próprio mestre cervejeiro, Urbain Coutteau. A De Struise passa por tonéis de carvalho previamente usados para envelhecer uísque americano no Kentucky e outros de regiões vinícolas da França, que agora são usados para armazenar cerveja. Diferentemente da produção da abadia, que não cresce, a da microcervejaria está aumentando. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.