A festa da jabuticaba

A festa da jabuticaba

Três cidades brasileiras fazem grandes festas da jabuticaba, todo ano. Mas não pense que são Jaboticabal, em São Paulo, e Jaboticaba, no Rio Grande do Sul. Apesar do nome, nenhuma destas duas celebra a temporada da fruta com festival.

Nana Tucci,

13 Outubro 2011 | 00h24

A festa mineira é a mais concorrida e a mais tradicional. Atrai, em média, 10 mil visitantes por dia para a cidade de Sabará, na região metropolitana de Belo Horizonte. Ali, faz parte da tradição dos moradores locais alugar suas jabuticabeiras para quem quiser chupar a fruta do pé.

Em Casa Branca, maior produtora de jabuticaba de São Paulo, a festa este ano vai de 20 a 24 de outubro. Será a terceira edição do evento na cidade onde uma família, os Fagan, detém quase metade das jabuticabeiras da município: 20 mil pés.

Hidrolândia, em Goiás realizou, na semana passada (de 6 a 9 de outubro), sua primeira festa da jabuticaba. Distante cerca de 35 km de Goiânia, a cidade tem o maior pomar da fruta no Estado. Seu principal produtor, Paulo Antônio Silva, mantém 31 mil pés. Parte da plantação pode ser vista do restaurante que ele possui na região. Quem visita as festas, além de fruta fresca à vontade, encontra diversos produtos feitos com a fruta. Os mais comuns são os licores, as compotas e os doces, feitos com a polpa e até com a casca.

Em Sabará, dono de jabuticabeira paga menos IPTU e ‘aluga’ árvore

Há 20 anos, quem vive em Sabará, Minas Gerais, e tem um pé de jabuticaba no terreno de casa ou do escritório paga 5% menos de IPTU. A única exigência é que cada pé tenha, no mínimo, 5 cm de diâmetro. O desconto é cumulativo e pode chegar a 25%, para quem tem até cinco pés.

A lei nº 146/82 entrou em vigor em 23 de agosto de 1982. Foi uma década em que houve uma grande expansão urbana e a regra entrou em vigor para estimular a preservação das jabuticabeiras.

Sabará é considerada a "terra da jabuticaba" e deu nome à variedade da fruta que se tornou a mais popular do País. "Aqui em Sabará a gente não chama a jabuticaba de sabará. O que aconteceu foi que antigamente chegavam as caixinhas com o nome da cidade nos mercados de São Paulo e aí pegou", acredita o historiador José Bouzas. "Muito casamento começou debaixo de um pé de jabuticaba", diz, mostrando a influência que a fruta exerce na vida dos sabarenses.

Foi a mãe de José, d. Zezé, quem criou o hoje nacionalmente conhecido Festival da Jabuticaba, que neste ano faz bodas de prata, 25 anos de existência. A data certa da festa? Ainda não está marcada, mas deverá ser no fim de novembro. "O dia a gente ainda não sabe, mas a chuva que era para ter vindo está vindo hoje", avisou a atendente da prefeitura de Sabará, na terça-feira. O que a chuva tem a ver com a data? Tudo. Chove durante a florada, a fruta cresce e em semanas está no ponto. Aí é só fazer a festa, com a participação de produtores de toda a região, incluindo os 30 integrantes da Associação dos Produtores de Derivados da Jabuticaba de Sabará (Asprodejas). São eleitos o melhor licor, a melhor geleia e o produto revelação. O chocolate com jabuticaba "é de babar", dizem.

Nos dias de festa os moradores "alugam" as jabuticabeiras de suas casas aos visitantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.