A mais plantada

A Cabernet Sauvignon, a uva fina tinta mais difundida no mundo inteiro, também é a mais plantada no Brasil e deu bons produtos na safra de 2005, uma das melhores dos últimos tempos no Rio Grande do Sul. Segundo dados da Uvibra, foram produzidos 34.242.635 quilos da uva em 2006, bem mais do que o dobro da segunda colocada, a Merlot, com 12.063.009 quilos. Em termos de qualidade, são também os grandes destaques. A aromática e elegante Cabernet Franc, outra uva originária da região de Bordeaux, França, é a terceira mais difundida no Brasil, mas sua produção vem retrocedendo. Segundo os dados da Uvibra, as dez uvas que mais produziram em 2006, além das três já citadas, são: Tannat (3.285.083, uma uva rústica, tânica, muito popular no Uruguai); Pinot Noir (3.055.931, a grande uva da Bourgogne, de difícil adaptação, bastante usada na elaboração de espumantes); Alicante Bouschet (1.161.465 quilos, uma cepa que não tem prestígio em sua origem, na França, mas mostra qualidades o Alentejo, Portugal); Pinotage ( 996.781 quilos, da África do Sul, um cruzamento de Pinot Noir com Cinsault); Egiodola (899.584, uma obscura uva italiana); Ancelota ( 872.741 quilos, secundária na zona do Lambrusco) e Ruby Cabernet ( 654.931 quilos, também secundária,um cruzamento norte-americano de Carignan com Cabernet Sauvignon). Os anos de 2004 e 2005 são boas referências para o consumidor. Numa boa safra, o tempo permite que as uvas amadureçam convenientemente e cheguem às cantinas em boas condições. Uvas maduras armazenam bastante açúcar e transmitem aos vinhos as suas características. Na região da Serra Gaúcha, um grande problema é o tempo, pois costuma chover demais e na hora errada, perto das colheitas. Com a ameaça das chuvas, alguns produtores cortam as uvas antes da maturação ideal, com pouco açúcar, o que não é nada bom. Nos anos mais secos, como 2004 e 2005, as uvas amadurecem e os vinhos são consideravelmente melhores. SALTON CLASSIC CABERNET SAUVIGNON 2005 ONDE ENCONTRAR Casa Santa Luzia, Al. Lorena, 1.471, 3897-5000 PREÇO R$ 10,90 (promoção) COTAÇÃO 85/100 Um tinto agradável, de ótima relação custo-benefício. Como vários deste grupo, descompromissado, adequado para o dia-a-dia e ocasiões informais. Primeira impressão apenas discreta, mas evoluiu consideravelmente com o tempo no copo. Aroma bom, mas não dos mais intensos. Aroma simples, direto, de frutas. Consideravelmente melhor na boca. Não se trata de um vinho encorpado, concentrado, mas sim agradável e leve (talvez até um pouco demais, pois passou meio rapidamente pela boca). Álcool muito bem comportado, equilibrado. Mais do que pronto para o consumo, sem nada a ganhar com mais tempo na garrafa. Taninos delicados, que não amargam e nem deixam a boca seca. 12,3% de álcool. SALTON VOLPI CABERNET SAUVIGNON 2005 ONDE ENCONTRAR Casa Santa Luzia, Al. Lorena, 1.471, 3897-5000 PREÇO R$ 20,40 COTAÇÃO 86/100 O nome do grande pintor indica uma linha especial da Salton. Na safra de 2005, apenas um pouquinho superior ao Salton Classic, que custa consideravelmente mais barato. Violáceo, como muitos tintos novos. Talvez evolua, mas atualmente o aroma está meio escondido. Aparecem toques de baunilha, de coco, provavelmente refletindo estágio em carvalho. Também algo de frutas negras, como ameixa em calda. Melhor na boca, Boa concentração de sabor. Pode até evoluir um pouco, mas já dá prazer. Outro que melhorou consideravelmente com o tempo no copo, indicando que ganharia se tivesse sido decantado. Equilibrado na boca, elegante e com o álcool comportado. 12,3% de álcool. MIOLO RESERVA CABERNET SAUVIGNON 2005 ONDE ENCONTRAR Casa Santa Luzia, Al. Lorena, 1.471, 3897-5000 PREÇO R$ 33,20 COTAÇÃO 87/100 Do Vale dos Vinhedos, na Serra Gaúcha, até agora a única zona de Indicação de Procedência do Brasil. Violáceo, com bastante concentração de cor. Aroma agradável, mas não dos mais intensos. Percebe-se um pouco de álcool no nariz (pica um pouco as mucosas). Toques que lembram a madeira, muito bem entrosados com os de frutas. Depois de algum tempo no copo passou a apresentar algo de especiarias (anis). Redondo e com boa concentração na boca. Potente, quente, mas não alcoólico demais na boca. Um tinto de boa acidez, nada enjoativo e ideal para a mesa de refeição, como muitos nacionais. Final ligeiramente rústico. Algo de amargor.Talvez melhore com o tempo. 13,5% de álcool. QUINTA DO SEIVAL CABERNET SAUVIGNON 2005 ONDE ENCONTRAR Metapunto, Rua da Cantareira, 651, 3328-8200 PREÇO R$ 46,90 COTAÇÃO 88/100 Atenção, o vinho só foi lançado pela Miolo na semana passada e poderá demorar uns 15 dias para chegar às lojas. As informações (preço e distribuição) são do produtor. Apesar do preço, merece ser conhecido, justifica a espera. Dos vinhedos da empresa em Candiota, perto da fronteira com o Uruguai, onde a safra de 2005 foi tão boa quanto na Serra Gaúcha. Concentrado, com evidentes toques de madeira (coco e baunilha). Também algo mineral. Aroma complexo, razoavelmente potente. Na boca, concentrado, encorpado e macio, evocando chocolate com licor de cerejas. Álcool corretamente equilibrado pelos demais componentes. Pronto para o copo, mas pode evoluir. 14% de álcool.

Saul Galvão, saul.galvao@grupoestado.com.br, O Estado de S.Paulo

19 Julho 2007 | 05h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.