A máquina que faz carvão

Desenvolvida no PR, ela impede a liberação de gases tóxicos no ambiente e exige mão-de-obra especializada

Evandro Fadel, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2008 | 01h45

Um sistema de produção de carvão vegetal deve aposentar os tradicionais fornos de alvenaria, volta e meia apontados como responsáveis por parte da poluição ambiental, doenças respiratórias e trabalho escravo. Composto por fornos, queimadores de fumaça poluente e estufas de secagem, o novo sistema permite redução acentuada na emissão de gases do efeito estufa e alcatrão.O sistema foi desenvolvido pela Bricarbras, de Jaguariaíva (PR). ''No forno tradicional, para cada tonelada de carvão emitem-se de 50 a 60 quilos de metano; no nosso sistema, 59 quilos de metano correspondem a 800 toneladas de carvão'', diz uma das responsáveis pela empresa, Janete Tomelin.A Unidade de Produção de Carvão (UPC) é composta por oito fornos feitos com material isolante, que não permite perda de calor. Cada um tem três cilindros metálicos, com capacidade individual para 6,4 metros cúbicos de madeira. Uma grelha de ferro fundido na parte inferior faz com que o calor circule no interior do cilindro e transforme madeira em carvão.A fumaça é conduzida por dutos para um queimador, onde são destruídos termicamente o metano, o dióxido de carbono e o alcatrão, entre outras substâncias. ''Isso torna o processo limpo'', afirma Janete.Os gases quentes do processo de carbonização são direcionados para uma estufa, onde, agregado a pulsos de microondas, ajudam na secagem da madeira que será utilizada na nova fornada. O sistema permite que a madeira esteja pronta para ir aos cilindros em cerca de 40 horas. Ao ar livre, levaria entre 60 e 90 dias.Nos fornos tradicionais, a madeira queima por cinco dias até virar carvão. Depois são necessários mais sete dias para resfriar, antes de o funcionário enfrentar as partículas e a fumaça para retirá-lo. No novo sistema, o carvão fica pronto em 8 horas, e leva 12 horas para esfriar. A retirada é mecanizada, sem emissão de fumaça.INFORMAÇÕES: Bricarbras, tel. (0--43) 3535-7047

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.