À mesa com a história

Nos 200 anos da chegada da família real, chefs e restaurantes resgaratam também a 'história do fogão'

Bruno Agostini, O Estado de S.Paulo

28 Fevereiro 2008 | 03h43

Nunca foi tão fácil reunir pesquisadores, cozinheiros e restaurateurs na mesma mesa como na celebração dos 200 anos da chegada da família real. Cada qual a sua maneira, todos se debruçaram sobre livros, receitas e outros registros históricos. E o resultado pode ver visto em muitos restaurantes do Rio, em cardápios que mostram uma riqueza que vai além do folclórico apetite de d. João VI por galetos. Veja mais informações sobre o festival e outras receitas "Os europeus assimilaram rapidamente nossos ingredientes. Receitas portuguesas foram adaptadas. O macuco substituía o pombo, por exemplo. Algo inimaginável hoje, o papagaio com banana era um prato muito apreciado", conta a chef Claudia Mascarenhas, do restaurante Leopoldina, no Hotel Solar do Império, em Petrópolis, refúgio de verão dos monarcas, a Cidade Imperial. Motivada pelo nome do restaurante, que homenageia a imperatriz Maria Leopoldina, e pela sua localização, no coração do centro histórico de Petrópolis, Claudia fez minuciosa pesquisa sobre a gastronomia brasileira no século 19. "Não poderia fazer uma culinária de época, então me inspirei no que era apreciado pela corte fazendo algumas adaptações", diz. Seu Banquete Imperial começa com o palmito fresco grelhado com azeite de trufas (R$ 18) ou a canja do imperador (R$ 16), a receita tradicional que leva ainda chouriço e "ovos escalfados", o poché lusitano. Entre os pratos principais, canard à l'orange (R$ 44) com palmito grelhado e purê de mandioca, e arroz de leitão desfiado (R$ 38), com chouriço, maçã, aipo e especiarias. Para fechar, bolo de mandioca e coco com sorvete de pitanga (R$ 14), além do trio de doces portugueses (R$ 12): ovos moles, toucinho do céu e baba de camelo. Ainda que com menor dedicação à pesquisa histórica, praticamente todos os restaurantes da cidade estão desenvolvendo pratos para embarcar nas comemorações. Tradicionalmente realizado em junho, o festival Rio Bom de Mesa, promovido pela Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança, este ano acontece mais cedo, para coincidir com o ponto alto dos festejos: de 11 a 15 de março. Entre os 14 restaurantes participantes, contudo, alguns lidam com a efeméride de forma menos compromissada, como o Bistrô 66 de Thomas Troisgros, filho de Claude, que recebe como convidada a chef Simone Berth, do peruano Wanchako, de Maceió (AL). Alguns encontros prometem grandes surpresas. É o caso de André Saburó, espécie de Jun Sakamoto pernambucano, titular do Quina do Futuro, em Recife, que vai preparar especialidades portuguesas no Sushi Leblon, um dos primeiros japoneses do Rio. Na Casa da Suíça os pratos foram batizados com os nomes dos monarcas. O chef convidado Duda Lapenda, do Pomodoro Café, em Recife (PE), servirá a tartelette d. João VI, com aspargos verdes acompanhados de folhas com mel de alecrim e açafrão (R$ 25,50); mil folhas d. Pedro I, de carne-de-sol com cebolas caramelizadas e servido com terrine de abóbora e vinho do Porto (R$ 42,90); e pudim à Carlota Joaquina, de queijo emmenthal com compota de tomates em azeite doce e manjericão (R$ 19,00). Participam ainda do festival, entre outros, Carême Bistrô, Giuseppe, Margutta, O Navegador, Rancho Inn, Sagrada Família. O chef Felipe Bronze, consultor gastronômico da rede de hotéis Marina, criou um menu-degustação ousado. "Trabalhei com ingredientes tradicionais em Portugal, mas dei um tratamento moderno", explica. Entre 11 e 18 de março, o cardápio especial (R$ 200) entra em cartaz no restaurante Vizta, no Marina Palace, no Leblon. Apresenta itens como tempurás de ovo de codorna trufado, cherne em crosta de broa de milho com molho de extra-virgem e purê de alho doce, e paleta de cordeiro braseada com especiarias e arroz de favas. Na Expand Castelo, o hábito de d. João VI de levar frangos assados no bolso resultou no frango no capote (R$ 28): frango empanado com mix de gergelins, tomate e cebola. Até banqueteiros entraram na onda. Cecília Borges fez um menu que destaca lombo de porco confit com especiarias e mangas grelhadas e frango assado com molho de mel e laranja servido com farofa de couve picante. - Av. Alexandre Freitas, 66, (21) 2266-0838 - Praia do Flamengo, 340, (21) 2551-1278 - (21) 2249-1542 - R. Visc. de Caravelas, 113, (21) 2246-0093 - R. Cândido Mendes, 157, (21) 2252-5182 - Av. Ataulfo de Paiva, 630, (21) 2540-0606 - Av. Erasmo Braga 299, (21) 2220-1887 - Hotel Solar do Império, (21) 2103-3000 - Av. Henrique Dumont, 62, (21) 2259-3718 - Av. Rio Branco, 180, (21) 2262-6037 - R. do Rosário, 74, (21) 2263-5197 - R. do Rosário, 98, (21) 2252-2240 - R. Dias Ferreira, 256, (21) 2512-7830 - Hotel Marina Palace, (21) 2172-1000

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.