A última chance da geração de ouro

Nos últimos anos, as equipes inglesas vêm se destacando na Copa dos Campeões, a principal competição europeia. Mas a seleção do país não consegue repetir o feito em grandes torneios. A Copa será uma boa oportunidade de mudar a história. Na verdade, a última para um grupo que foi definido por "geração de ouro" anos atrás, com o surgimento de Beckham, Gerrard, Lampard, Terry, agora se despedindo de copas.

, O Estadao de S.Paulo

05 Dezembro 2009 | 00h00

Considerada uma das potências mundiais, a Inglaterra ainda busca um novo título para apagar a mancha da conquista de 66, em sua casa, com muito questionamento por erros da arbitragem na final com a Alemanha. Mas está difícil. O time fracassou na Euro de 2004 e não foi para a de 2008, além de decepcionar na Copa de 2006.

Uma renovação começa a ser feita pelo italiano Fábio Capello. O treinador já busca jogadores mais novos. Nem mesmo Wayne Rooney, atacante de 24 anos, se sente tão firme na equipe. "O Capello me intimida. Acho que o mais importante nessa renovação é saber que, se você não joga bem uma partida, pode perder a posição de titular", afirma o atacante, autor de nove gols nas Eliminatórias, na qual a seleção venceu oito jogos seguidos com facilidade.

"A garra inglesa me agrada. Sempre conseguimos nos superar nos momentos difíceis", observa Capello. Ganhar o título ou mesmo fazer papel bonito na África significa, para os ingleses, ganhar ponto para ser a sede do Mundial de 2018. Na luta, o país tem um grande aliado: o apoio brasileiro. "É hora de o Reino Unido sediar uma Copa", já disse o presidente Lula.

Mas, no momento, os ingleses só pensam em brilhar na África. E em acabar com a fama dos hooligans de violentos. A confiança é tão grande que uma invasão está sendo preparada. "A expectativa é que 25 mil torcedores ingleses viajem para a África do Sul", diz Kevin Miles, coordenador internacional de uma associação de torcedores da Inglaterra. "E, se a Inglaterra chegar à final, o número poderá duplicar. Eles virão mesmo que não tenham ingresso, tudo para poder dizer que estavam em Johannesburgo no dia em que a Inglaterra disputou a final da Copa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.