Imagem Luiz Horta
Colunista
Luiz Horta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A uva que não gosta de viajar

   T.H. Terroir Hunter 08

Luiz Horta,

10 de fevereiro de 2011 | 12h34

Uvinha complicada, a Pinot Noir. Detesta sair da Borgonha, mesmo sendo tão querida no mundo todo. Aparece com qualidade na Nova Zelândia, nos Estados americanos do Oregon e Washington e em outros climas frios. O sonho de muitos produtores do Novo Mundo é fazer um vinho de Pinot que se assemelhe aos borgonheses. Quase sempre em vão.

Aqui na América do Sul o Chile tem sido dos mais bem-sucedidos, junto a alguns exemplares da Patagônia argentina. Mesmo assim, é preciso dizer, não são borgonhas. Mas pensemos, precisam ser? Se tiverem a tipicidade da uva, ou seja, se mostrarem a fineza, a boa acidez, a carnosidade e o equilíbrio dos bons vinhos de Pinot Noir, não será o bastante?

 

Confira a análise dos vinhos:

linkT.H. Terroir Hunter 08

linkLo Abarca 05

linkAmayna P.N. 08

linkLot 21 Leyda 08

 

Eu acho que o bom Pinot Noir chileno tem que ser exatamente isso: bom e chileno, sem imitar ou tentar ser francês. Daí veio a ideia da prova: degustar os melhores exemplares da uva no Chile. Degustando e aprendendo... Mais uma vez um azarão, vinho de grande empresa e um dos mais baratos da série, surpreendeu. Há o preconceito crescente de que vinho bom tem de ser de um senhorzinho de mãos calejadas, que trabalha suas poucas videiras e mora num casebre sem luz. Tudo bem, muitos vinhos originários de pequenos e excêntricos produtores são melhores que os feitos em grande escala por megaempresas. Mas nem sempre.

Sofremos em todos os assuntos da síndrome de simpatia pelo underdog, tendemos a torcer por Davi contra o Golias corporativo. Quando montei o painel, já pensei: Undurraga não vai dar certo, nem para a saída. É uma empresa familiar, mas enorme. Ah, a verdade das degustações feitas às cegas, com os rótulos escondidos... O painel foi unânime, coisa rara em provas anteriores. Nenhum dos participantes escolheu como favorito os outros vinhos. Eram oito no total, entre os quais havia medíocres e bons (os quatro melhores estão ao lado).

Revelados os rótulos, o campeão foi justamente o T. H. da Undurraga, projeto pequeno de agricultura orgânica dentro do gigante. Davi feito por Golias.

 

Veja também:

linkEntre pitadas e piladas

linkPasseio ibérico em 200 metros

linkComida gourmet na garagem

linkDeu rolo neste macarrão

linkDa casa de seu Gildo para a Casa Rovigo

linkUma nova invasão argentina está pronta. E o nome dela é Torrontés

Tudo o que sabemos sobre:
Luiz Hortagluptvinhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.